Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 03 / Diretórios do PT pedem volta às origens para enfrentar conservadorismo

Reviravolta

Diretórios do PT pedem volta às origens para enfrentar conservadorismo

Em documento, filiados dizem que partido se distanciou das bases e pedem "mais consistência política e ideológica às militâncias". E recomendam se afastar do "pragmatismo pernicioso"
por Eduardo Maretti, da RBA publicado 30/03/2015 19h54, última modificação 30/03/2015 21h20
Em documento, filiados dizem que partido se distanciou das bases e pedem "mais consistência política e ideológica às militâncias". E recomendam se afastar do "pragmatismo pernicioso"
José Cruz/ABr
Rui-Falcao-fala-com-jornalistas-na-sede-do-PT-em-Brasilia-foto-Jose-Cruz-Agencia-Brasil_0003-850x582.jpg

Segundo Rui Falcão, Partido dos Trabalhadores errou ao se afastar da democracia participativa

São Paulo – Os 27 diretórios regionais do PT em São Paulo divulgaram no início da noite de hoje (30) um manifesto em que defendem a volta do partido às origens e às bases, o enfrentamento da “ofensiva de cerco e aniquilamento” dos setores conservadores que querem acabar não apenas com os governos do PT, mas com qualquer governo social e popular. Também reconhece que o partido "errou ao se afastar da democracia participativa", segundo o presidente da legenda, Rui Falcão, em entrevista coletiva. Falcão falou à imprensa depois de reunião que consumiu toda a tarde, da qual participaram os representantes dos diretórios e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não se pronunciou aos jornalistas.

Segundo o manifesto, o partido precisa enfrentar “a maré conservadora em marcha e combater com argumentos e mobilizações a direita e a extrema direita minoritária que buscam converter-se em maioria toda vez que as mudanças aparecem”. Ainda de acordo com o documento, “para sair da defensiva devemos assumir responsabilidades e corrigir rumos: com a retomada de valores e nossas origens”.

O partido afirma querer “retomar sua radicalidade política, seu caráter plural e não dogmático". Os diretórios declaram no documento ser necessário praticar uma “política do cotidiano presente na vida do povo, e não somente que sai a campo a cada dois anos" nas eleições, e pede "um PT sintonizado com o dia a dia dos trabalhadores. “Pois só assim será possível construir nova forma de democracia cujas raízes estejam nas origens de base da sociedade cujas decisões sejam tomadas pelas maiorias.”

O partido reconhece que se distanciou das bases ao pregar que é “preciso dar mais consistência política e ideológica às militâncias de base, não dar trégua ao cretinismo parlamentar” e que é necessário se afastar do "pragmatismo pernicioso", como condições de atingir os objetivos estratégicos.

O documento diz ainda que o objetivo é desencadear “amplo processo de debate, agitação e mobilização do PT em nome das bandeiras históricas”, defender o governo Dilma e “o legado do partido”.

Propõem ainda participar e ajudar a “articular uma ampla frente de partidos e setores progressistas, centrais sindicais e movimentos sociais unificados em torno de uma plataforma de mudança cujo cerne sejam os direitos dos trabalhadores, reforma política, democratização da mídia e reforma tributária”.

 

registrado em: ,