Você está aqui: Página Inicial / Política / 2014 / 08 / PSB vai se reunir dia 20 para decidir sobre candidatura de Marina Silva à presidência

eleições

PSB vai se reunir dia 20 para decidir sobre candidatura de Marina Silva à presidência

Partido aguarda divulgação de pesquisa do Instituto Datafolha com previsão de divulgação na segunda-feira (18) para avaliar cenários com e sem a candidatura da ex-ministra do Meio Ambiente
por Redação RBA publicado 15/08/2014 13h54, última modificação 15/08/2014 14h21
Partido aguarda divulgação de pesquisa do Instituto Datafolha com previsão de divulgação na segunda-feira (18) para avaliar cenários com e sem a candidatura da ex-ministra do Meio Ambiente
Joel Silva/Folhapress
marina

Marina Silva tem evitado falar desde a morte de Campos e afirmou que só discutiria chapa após o enterro

São Paulo – O presidente interino do PSB, Roberto Amaral, convocou uma reunião da executiva nacional do partido para a próxima quarta-feira (20), em Brasília, para definir se manterá ou não candidatura própria à Presidência da República após a morte do presidente da sigla e candidato ao planalto, Eduardo Campos, em acidente aéreo na cidade de Santos, na última quarta-feira (13). "A tendência é o partido ter candidato", disse Amaral. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O nome mais forte para encabeçar a chapa é o da atual vice, Marina Silva, apesar da resistência de alguns setores do partido. Na quinta-feira (14), o irmão de Campos, Antônio Campos, defendeu que a ex-ministra do Meio Ambiente deveria ser a candidata do partido. “Tenho convicção que essa seria a vontade de Eduardo”, escreveu em carta aberta. O prazo para indicação da nova chapa encerra-se no dia 23.

A mídia tradicional especulou também que a viúva, Renata Campos, estaria a favor de Marina.

Além da família, dirigentes dos outros quatro partidos que integram a coligação – PHS, PRP, PPL e PSL – também defendem a candidatura da ex-ministra. O presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), disse que considera natural Marina assumir o lugar de Campos.

Os dirigentes do PSB, no entanto, reivindicam garantias de que a candidata não vá interferir nas coligações estaduais. Em São Paulo, por exemplo, ela era contrária à aliança com o governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB), que cedeu a vice para o deputado Márcio França.

O partido também aguarda o resultado de pesquisa do instituto Datafolha, que excluiu o nome de Campos e considerou cenários com e sem Marina como candidata, agendada para divulgação na próxima segunda-feira (18).

Em 2010, Marina foi candidata pelo Partido Verde e obteve 19,33% de votos, o equivalente a pouco mais 19,6 milhões.

Saiba mais: