Home Política Justiça determina afastamento de Robson Marinho do TCE de São Paulo por corrupção
Fazenda Pública

Justiça determina afastamento de Robson Marinho do TCE de São Paulo por corrupção

Ao anunciar ação cautelar, em maio, promotores disseram ter obtido 'provas robustas' contra conselheiro a partir de documentos chegados da Suíça, que a defesa diz serem 'ilícitas'
Publicado por Redação RBA
14:12
Compartilhar:   
Julia Moraes/Folhapress
Robson Marinho

‘É de extrema gravidade o que foi apurado. Provas são robustas’, disseram os promotores em maio

São Paulo – A juíza Maria Gabriella Pavlópoulos Spaolonzi, da 13ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, concedeu liminar para afastar do cargo o conselheiro Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP), acusado de corrupção. A decisão é decorrente de pedido do Ministério Público de São Paulo em ação cautelar assinada pelos promotores Silvio Antonio Marques, José Carlos Blat e Marcelo Daneluzzi.

Em maio, ao anunciar a ação, os promotores disseram haver “provas robustas” contra Marinho, presentes principalmente em documentos chegados da Suíça no dia 20 de maio de 2014. “É de extrema gravidade o que foi apurado. As provas são robustas e não se pode admitir que uma pessoa, durante o dia, em sessões solenes, realize o julgamento de contas públicas do estado de São Paulo, e durante a noite movimente secretamente valores na Suíça”, disse Blat na ocasião.

Robson Marinho teria recebido propina para aprovar contratos da Empresa Paulista de Transmissão de Energia (EPTE) com consórcio formado pela francesa Alstom, também implicada no cartel do metrô de São Paulo denunciado no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em meados de 2013. Robson Riedel Marinho foi coordenador da campanha que elegeu Mario Covas ao governo de São Paulo (1995-2001). Depois, foi guindado ao posto de chefe da Casa Civil do governo Covas, onde ficou de 1995 a abril de 1997. Em 1997 foi nomeado por Covas como conselheiro do tribunal.

Segundo o Ministério Público, Marinho teria movimentado US$ 2,7 milhões em conta na Suíça, aberta em nome de uma empresa off shore. A defesa de Marinho tem alegado que as provas nas quais o MP-SP se baseia foram obtidas de maneira ilícita.