Você está aqui: Página Inicial / Política / 2014 / 08 / Plebiscito popular por reforma política será realizado na próxima semana

consulta popular

Plebiscito popular por reforma política será realizado na próxima semana

Dirigente da CUT paulista afirma que movimentos estão unidos pela reforma política desde a proposta da presidenta Dilma Rousseff, realizada ano passado
por Redação RBA publicado 28/08/2014 12h51, última modificação 28/08/2014 13h07
Dirigente da CUT paulista afirma que movimentos estão unidos pela reforma política desde a proposta da presidenta Dilma Rousseff, realizada ano passado
alese
plebiscito_popular.jpg

Brasileiros devem responder se são ou não a favor de uma constituinte exclusiva e soberana

São Paulo – De 1º e 7 de setembro, durante a Semana da Pátria, a população brasileira poderá votar se é a favor ou não de uma constituinte exclusiva e soberana para reformar o sistema político brasileiro. O plebiscito popular foi organizado por diversas entidades que objetivam aperfeiçoar as instituições políticas do país. A presidenta Dilma Rousseff propôs a reforma política após as manifestações da junho do ano passado e reiterou ser favorável ao plebiscito durante o primeiro debate com os presidenciáveis na TV, realizada na terça-feira (26).

O secretário de Políticas Sociais da CUT São Paulo, João Batista Gomes, destaca que os movimentos se uniram para a realização da consulta popular após a proposta da presidenta. "Para nós, é uma resposta as manifestações de junho, que apontamos. Levamos a frente e estamos fazendo com as próprias mãos esse plebiscito", diz em entrevista à Rádio Brasil Atual.

O secretário da CUT alega que segmentos conservadores, como o STF e partidos políticos, a exemplo do PMDB, apresentam resistência à reforma política e chegaram a acusar Dilma de exercer um golpe. "Consultar o povo é a forma mais democrática que existe para saber os rumos da nação", considera.

O sindicalista aponta as reformas defendidas pelos movimentos. No caso da CUT, o fim do Senado, que exerce papel redundante em relação à Câmara dos Deputados, o fim do financiamento privado de campanhas para partidos políticos e a reformulação na proporcionalidade dos votos são as principais bandeiras. Gomes indica que o voto de um eleitor de Roraima "vale" dez vezes mais do que o de um eleitor paulista, ferindo a regra "elementar da democracia", que pressupõe igualdade no peso dos votos de cada indivíduo.

"No Brasil, 70% do Congresso está representando pelas grandes empresas e pelos latifundiários, ou seja, o povo não está representado. Então, nós achamos que a constituinte seria o caminho para mudar isso", afirma. Os movimentos sociais esperam que a maioria da população brasileira responda favoravelmente à constituinte exclusiva e soberana para a reforma política. Se o resultado for alcançado, o próximo passo será pressionar as autoridades para que a proposta se concretize.

"Estamos com as urnas, levando para os lugares de trabalho, igrejas, movimentos sociais e estamos chamando os dirigentes sindicais para se engajarem e coletarem os votos", ressalta o secretário. Votos também poderão ser realizados pela internet, com número do CPF, no site do Comitê Plebiscito Constituinte.

O comitê pela reforma política conta com cerca de mil escritórios espalhados pelo país. Foi criado em setembro passado por partidos políticos e movimentos sociais. A organização soma 214 entidades, entre movimentos sociais, sindicatos, partidos e coletivos.

Ouça a entrevista completa na Rádio Brasil Atual: