Você está aqui: Página Inicial / Política / 2014 / 06 / Discurso que acusa greve de motivação política tenta desmoralizar reivindicações

Análise

Discurso que acusa greve de motivação política tenta desmoralizar reivindicações

Para cientistas políticos, declarações do governador Geraldo Alckmin sobre metroviários tentam reduzir política e luta sindical a um papel secundário na vida nacional, sobrepostas pelo tecnicismo
por Eduardo Maretti, da RBA publicado 07/06/2014 13h48, última modificação 08/06/2014 14h02
Para cientistas políticos, declarações do governador Geraldo Alckmin sobre metroviários tentam reduzir política e luta sindical a um papel secundário na vida nacional, sobrepostas pelo tecnicismo
Danilo Verpa/Arquivo Folhapress
Alckmin_Jurandir Fernandes_Danilo VerpaFolhapress.jpg

O secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, e Alckmin: criminalização da política

São Paulo – As declarações do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), atribuindo à greve dos metroviários motivações "políticas", argumento também utilizado quando começaram a se tornar públicos o caso do cartel do metrô e da CPTM, entre outros episódios, fazem parte de uma estratégia repetida deliberadamente para reduzir a política a um papel secundário na vida nacional. Como se as greves não fossem em si mesmas políticas.

"Claro que é um discurso um pouco para deslegitimar as demandas e as reivindicações, não só deslegitimar, mas colocá-las num plano de que há interesses político-partidários, da competição político-eleitoral e ponto", diz o cientista político Vitor Marchetti, professor da Universidade Federal do ABC (UFABC).

"Toda e qualquer greve tem o objetivo de pressionar, partilhar e conquistar poder, poder de decisão. Mas Alckmin e vários outros governantes insistem nesse argumento de que a greve é 'política' não apenas para desmoralizar a ação política como para desmoralizar os partidos que ele acusa de estar fomentando a greve", acrescenta a cientista política Maria Victoria Benevides.

O discurso que reduz a política a uma simples motivação de "incomodar" o governo do estado quer fazer crer que a política é uma atividade menor e, no limite, vai no sentido de criminalizar a práxis política.

"A criminalização da política é um dos problemas mais sérios que temos de enfrentar, e não só no caso brasileiro, mas nas democracias representativas como um todo", acredita Marchetti. Para ele, essa atitude não é nova no país. "O Brasil tem um histórico muito curto de vida democrática: a gente olha para a política sempre como uma atividade de criminosos. É um diagnóstico muito perigoso porque dá margem a um discurso tecnicista, como se a técnica, ao substituir a política, fosse produzir resultados melhores."

O professor lembra que esse discurso tecnicista  "é o que os militares em 1964 traziam". "A sociedade brasileira muitas vezes se seduz muito com esse discurso. Desde Vargas, ou mesmo desde a construção da primeira República, esses discursos estavam lá. Não são novos na política brasileira". Para ele, a redução da política a um teatro de atores menores ou desprezíveis a desloca para um cenário em que o embate e a divergência, próprios à democracia, se torna insuportável.

"Mas o cenário de embate e divergência é o que sustenta o regime democrático. Se a gente parte para uma ideia de um tecnicismo tentando anular o embate e o conflito, certamente vai legitimar regimes autoritários ou burocráticos que não zelam pela transparência, pela prestação de contas", acrescenta Marchetti.

Em entrevista recente à revista Carta Capital, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também traçou paralelo entre a negação da política e a ditadura. "Interessa a uma parte da elite brasileira a negação da política. O que vem depois é sempre pior, quando você nega a política. A ditadura brasileira foi a negação da política. O que é muito grave, porque, se você atravessa um momento sem nenhuma referência, sem ninguém em condições de controlar a situação, o próprio Estado vai à deriva", completou.

"Essa posição de criminalizar a política serve a motivos inconfessáveis num ano eleitoral", acrescenta Maria Victoria.

Mas tanto ela como Marchetti relativizam a questão do discurso de Alckmin no caso da greve dos transportes – e dos metroviários em particular. "Eu pessoalmente tenho uma posição radical em relação à greve de transportes. Sou favorável ao direito de greve, é um direito constitucional, mas acho que sempre existe um lado de responsabilidade de quem faz greve que deveria ser cumprido, porque quem acaba pagando o dano que a greve causa é o povo trabalhador. Não é o patrão nem o capital", avalia Maria Victoria. "Acho que, como em outros países democráticos, a greve deve ser decidida com o compromisso de manter serviços."

A professora aconselha aos sindicalistas que reflitam sobre o assunto. "O que mais me incomoda é ver o povo todo abandonado, à noite, na chuva, no frio, com criança no colo, gente doente, gente que se não aparecer no trabalho não ganha, criança que se não for à escola não come."

Para Marchetti, embora haja, no discurso de deslegitimação das greves, a intenção de reduzir a política a um significado menor, esse discurso, por outro lado, também não deixa de ser um instrumento "natural do governante". "O governante vai tentar minimizar o efeito da greve sobre seu mandato, isso em todas as esferas. O governo federal agora, negociando com os técnicos administrativos das universidades, se vale de um argumento parecido, a greve está ancorada em interesses eleitorais, de minar o governo." Na opinião do cientista político da UFABC, esse discurso é "uma arma disponível" no sistema político.