Você está aqui: Página Inicial / Política / 2013 / 10 / Serra diz que fica no PSDB como 'trincheira' para 'derrotar o PT'

Tucanos

Serra diz que fica no PSDB como 'trincheira' para 'derrotar o PT'

Ex-governador paulista publicou sua decisão no Facebook e, como resposta, senador Aécio Neves afirmou no site do partido ser 'certo' que estarão juntos em 2014
por Redação RBA publicado 01/10/2013 19h02, última modificação 01/10/2013 19h32
Ex-governador paulista publicou sua decisão no Facebook e, como resposta, senador Aécio Neves afirmou no site do partido ser 'certo' que estarão juntos em 2014
Alexandre Guzanshe/Fotoarena/Folhapress
serra_aecio_Alexandre-Guzan.jpg

No comunicado em que confirma o "fico", Serra diz que "trincheira" correta para enfrentar o PT é o PSDB

São Paulo – Pelo menos aparentemente, a paz está selada entre os ex-governadores tucanos de São Paulo, José Serra, e de Minas Gerais, Aécio Neves. Serra publicou uma nota sobre a decisão de ficar no PSDB em sua página no Facebook na tarde desta terça-feira (1°), afastando a possibilidade de migrar para o PPS e disputar a Presidência da República. “A minha prioridade é derrotar o PT, cuja prática e projeto já comprometem o presente e ameaçam o futuro do Brasil”, escreveu. “O PSDB, partido que ajudei a conceber e a fundar, será para mim a trincheira adequada para lutar por esse propósito.”

A resposta de Aécio veio sem demora em outra nota, esta publicada na página do partido. “José Serra é uma figura indispensável ao PSDB, de tal forma que sempre foi difícil para mim conceber nosso partido sem ele”, escreveu o senador mineiro.

Aécio enaltece a unidade do partido. “O que é certo é que estamos e estaremos juntos”, destaca o mineiro. Serra usa mais enfaticamente a primeira pessoa. Além de dizer que “derrotar o PT” é uma prioridade sua, afirma também que “me empenharei para agregar outras forças”.

Na nota, Aécio negou que será o escolhido para disputar a sucessão de Dilma Rousseff. “Ainda não é o momento de definir a candidatura presidencial do PSDB e do conjunto de forças que se dispuserem a marchar conosco”, garantiu.

Com as especulações sobre a saída de Serra do PSDB, o PPS do deputado Roberto Freire (SP) era o mais cotado para receber o adversário de Dilma em 2010. Confirmado o “fico”, Freire disse que seu partido analisará a conjuntura a partir do próximo dia 8, em reunião da Executiva Nacional do partido em Brasília.

No próximo sábado (5) encerra-se o prazo para filiações partidárias com vistas à eleição de 2014. “O partido como um todo se empenhou em construir essa alternativa [a filiação de Serra] e viabilizar a candidatura própria. Encerrada essa etapa, vamos debater os outros cenários dentro do campo da oposição”, lamentou Freire, em texto divulgado no site do PPS. Para ele, “é uma perda significativa para a oposição viabilizar um segundo turno para a Presidência em 2014”.

Sem Serra, a chance de o PPS apresentar uma candidatura torna-se pequena.

Em nota, o presidente do PSDB em São Paulo, o deputado Duarte Nogueira afirmou que a presença de Serra "é o sinal maior da unidade do partido e da certeza de que, juntos, construiremos até 2014 um projeto de país à altura das expectativas e da necessidade dos brasileiros e capaz de superar as incertezas e incoerências que marcam nosso presente".

registrado em: , ,