Você está aqui: Página Inicial / Política / 2013 / 10 / Beneficiários são centro das atenções em ato de dez anos do Bolsa Família

Beneficiários são centro das atenções em ato de dez anos do Bolsa Família

Política Social
por Hylda Cavalcanti publicado 30/10/2013 15h48, última modificação 30/10/2013 16h18
Política Social
Roberto Stuckert Filho
blog do planalto.jpg

O Programa Bolsa Família atende 13,8 milhões de famílias, correspondente a um quarto da população brasileira

Brasília – Os melhores exemplos do impacto do programa Bolsa Família junto à população brasileira – que completa dez anos de existência hoje (30) não foram passados nem pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nem pela presidenta Dilma Rousseff, mas pelos próprios beneficiários e ex-beneficiários do programa. Durante a solenidade que abriu os vários eventos de comemoração pela data e incluem dados do primeiro mapeamento completo sobre as famílias assistidas, quem roubou a cena foram os meninos da orquestra Criança Cidadã dos Meninos do Coque, comunidade pobre do Recife (PE), e três donas de casa assistidas pelo programa.

Uma delas, Odete Della Vechio, do município de Guaíba (RS) hoje trabalha na construção civil, em razão de um curso que fez por meio de programa do Ministério do Trabalho integrado ao Bolsa Família e que lhe levou à profissão de ferreira. Além disso, Odete, mãe de dois filhos, está concluindo um segundo curso, de marcenaria. “A construção civil hoje está acessível para as mulheres e pude ter uma oportunidade. Tudo o que eu recebi e conquistei começou com o Bolsa Família, onde me cadastrei cinco anos atrás. Posso dizer que já fui, com orgulho, uma beneficiária do programa e que, se precisar, voltarei a sê-lo, mas hoje não estou precisando ser. Estou muito feliz com o meu trabalho”, contou.

Situação semelhante é a vivida por Iolanda Aparecida da Silva, mãe de cinco filhos, que reside em Guarulhos (SP) e hoje trabalha como auxiliar de limpeza em um supermercado. E, ainda, por Maria de Barros Araújo, mãe de dois filhos – uma cearense que há anos reside na Rocinha, no Rio de Janeiro (RJ) e trabalha como cozinheira.

“A principal definição sobre o bom andamento do programa foi a que eu recebi de pessoas simples numa visita ao interior, quando me disseram que antes, as feiras terminavam por volta das 11h e hoje, terminam às 4 da tarde”, enfatizou a ministra de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello. “Cada R$ 1 injetado no Bolsa Família representa retorno de R$ 1,74 na economia do país, por meio do efeito multiplicador do consumo das famílias beneficiadas. E o exemplo da feira é uma prova disso”, acentuou a ministra.