Você está aqui: Página Inicial / Política / 2013 / 09 / Deputados pedem investigação sobre executivos envolvidos em corrupção no Metrô

caso siemens

Deputados pedem investigação sobre executivos envolvidos em corrupção no Metrô

Consultor teria intermediado pagamento de propina de empresas envolvidas em cartel a altos funcionários do governo de São Paulo
por Redação RBA publicado 24/09/2013 14h57
Consultor teria intermediado pagamento de propina de empresas envolvidas em cartel a altos funcionários do governo de São Paulo
Maurício Moraes
metrô

A Assembleia Legislativa ainda não alcançou as 32 assinaturas necessárias para a instauração da CPI

São Paulo – Mesmo com o crescimento das denúncias de corrupção no Metrô e na CPTM, o governo de Alckmin (PSDB) continua a impedir sua base na Assembleia Legislativa de assinar a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o caso. A deputada estadual Beth Sahão (PT) reforça, em entrevista à Rádio Brasil Atual, a importância de uma comissão que investigue e esclareça a formação do cartéis que vigora desde 1998 no estado.

A apuração está indicando pessoas que têm muito poder no governo, pessoas que transitam com muita liberdade e que tomam decisões. Tudo isso tem que ser explicado. Como é que nós vamos jogar denúncias tão graves quanto estas embaixo do tapete? O governador disse que não teme. Se ele não teme, ele deve pedir para sua base assinar a CPI”, argumenta.

As investigações da Polícia Federal apontam o consultor José Fagali Neto como intermediário no pagamento de propina entre o poder público e as agências envolvidas na formação do cartel. A ex-secretária de Fagali Neto, Edna Flores, entregou ao Ministério Público e-mails e dados que comprovam o envolvimento do consultor com nomes do governo tucano em 2006 e 2007.

Em reportagem, a Folha de S.Paulo mostra a ligação entre Fagali Neto e Pedro Benvenuto, coordenador de gestão e planejamento da Secretaria de Transportes Metropolitanos de São Paulo, no período em que Geraldo Alckmin (PSDB) e José Serra estiveram no governo do estado. Benvenuto é o atual secretário-executivo do conselho gestor de Parcerias Público-Privadas da Secretaria do Planejamento do governo. O secretário revelou informações e dados do governo sobre os Planos de Ação do transporte metropolitano para Fagali Neto.

O deputado estadual Gerson Bittencourt (PT) considera que o envolvimento de executivos do governo é um dos pressupostos para que o cartel tenha acontecido durante tanto tempo. “Causa estranheza que um cartel tenha operado no estado de São Paulo por quase 15 anos e tenha movimentado tantos recursos, sendo que os contratos já ultrapassam R$40 bilhões, sem a participação de agentes públicos”.

Bittencourt acredita que mais ligações entre funcionários do governo e as empresas do cartel (Alstom, Siemens, Bombardier e Tejofran) são descobertas. “Os 17 terabytes de informações colhidas pela Polícia Federal e pelo Cade podem comprovar a existência do cartel e a participação de agentes públicos nesse processo. A participação pode ser direta ou ser conivente com a formação e a atuação desse cartel”, afirma.

Confira a reportagem completa de Vera Rodrigues à Rádio Brasil Atual.

registrado em: , , , ,