Home Política Manifestações derrubam aprovação de governantes em três semanas
Datafolha

Manifestações derrubam aprovação de governantes em três semanas

Pesquisas do Datafolha mostram queda na popularidade de governantes de todos os níveis e cores partidárias após as mobilizações
Publicado por Redação da RBA
12:58
Compartilhar:   
Danilo Ramos/RBA
protesto_politicos.jpg

Manifestações que começaram por preços do transporte público ganhou outras causas e abalou aprovação popular de governantes

São Paulo – Pesquisas do Datafolha divulgadas neste fim de semana confirmam a mudança de humor do eleitorado brasileiro em relação ao mundo político. Os dados mostram queda, em graus variados, na avaliação positiva de governantes de todos os níveis e cores partidárias.

A presidenta Dilma Rousseff (PT) viu sua popularidade cair 27 pontos em três semanas, de acordo com pesquisa do Datafolha encerrada na última sexta-feira, 28 de junho. O número de entrevistados que consideram seu governo como bom ou ótimo caiu de 57% na primeira semana de junho para 30% após as semanas de protestos que têm varrido o país. O índice de ruim e péssimo subiu de 9% para 25%, enquanto o de regular subiu para 43%. Com isso, a presidenta mantém um saldo positivo em sua avaliação, mesmo com a queda brusca.

Dilma, porém, não foi a única a receber más notícias das pesquisas de opinião. Os governadores de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), também viram cair sua aprovação, bem como os prefeitos das capitais paulista, Fernando Haddad (PT), e fluminense, Eduardo Paes (PMDB).

Em São Paulo, a aprovação de Geraldo Alckmin caiu 14 pontos, de 52% em 7 de junho para 38% na pesquisa finalizada na sexta-feira. A média de Alckmin, no entanto, permanece positiva, com 20% de ruim e péssimo e 40% de regular.

Fernando Haddad sofreu queda de 16 pontos, indo de 34% para 18%, e a soma dos resultados ruim e péssimo subiu de 21% para 40%. Há três semanas, o petista ostentava a melhor avaliação de um prefeito de São Paulo desde a redemocratização.

No Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral teve queda mais acentuada, mas em período maior. Depois de ter registrado sua melhor avaliação em novembro, com 55% de ótimo e bom, Cabral viu estes índices caírem 30 pontos, para 25% na sexta-feira. O cenário é mais preocupante porque o número de avaliações negativas subiu para 36%, ultrapassando os positivos.

O prefeito carioca Eduardo Paes também viu a reversão de sua avaliação na pesquisa de sexta. Seu número de ótimo e bom caiu de 50% registrados em agosto de 2012 para 30%, enquanto o total de ruim e péssimo subiu de 12% para 33%.

Eleições 2014

O instituto ouviu também a população sobre as intenções de voto para as eleições de 2014, com notícias negativas especialmente para Dilma. A presidenta registrou queda brusca de suas intenções de voto nos dois cenários em que é citada como candidata, sendo a primeira vez em que as pesquisas apontam que a eleição irá para segundo turno.

No cenário que hoje parece ser mais provável, Dilma caiu de 51% para 30%. A maior beneficiada pela mudança foi Marina Silva (Rede), que subiu de 16% para 23%, seguida por Aécio Neves (PSDB), que cresceu de 14% para 16%. Eduardo Campos (PSB) oscilou positivamente 1 ponto, de 6% para 7%.

O segundo cenário inclui a candidatura do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Ele registra 15% de intenções de voto, empatado com Aécio e atrás de Marina (18%) e Dilma (29%).

O Datafolha incluiu também dois cenários em que Dilma é substituída pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato do PT. Lula também registrou queda, de 55% nos dois cenários para 46% no cenário mais provável e 45% com Joaquim Barbosa. Nos dois casos, o ex-presidente ganharia no primeiro turno, o que pode reforçar movimentos de insatisfeitos no PT e na base aliada do governo pela mudança de candidato.

Alckmin e Cabral também caem

O Datafolha perguntou também sobre as intenções de voto para governador nas eleições do ano que vem. Geraldo Alckmin, que provavelmente disputará a reeleição, caiu em todos os cenários propostos, mas mantém sempre o primeiro lugar. O instituto testou o nome de quatro possíveis candidatos petistas: os ministros da Saúde, Alexandre Padilha, da Educação, Aloizio Mercadante, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o ex-presidente Lula.

O pior resultado do tucano é contra Lula, quando marca 34% de intenções contra 22% do ex-presidente – é a única combinação em que a eleição teria dois turnos. Entre os candidatos petistas além de Lula, o único a alcançar dois dígitos, com 10%, é Mercadante, que já foi candidato ao governo duas vezes e eleito senador pelo estado. Padilha fica com 4%, e Cardozo, com 5%.

Excluído Lula, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB), aparece como o mais forte adversário de Alckmin. Sua melhor marca é de 19%, quando o candidato petista é Padilha, e a pior 17%, contra Lula. Os cenários incluíram também o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), que marcou entre 5% e 7%.

A pesquisa investigou também as intenções de voto para o governo do Rio de Janeiro. No primeiro cenário o senador Lindbergh Farias (PT) aparece na frente, com 17%, seguido de perto por Cesar Maia (DEM) e Anthony Garotinho (PR), ambos com 15%. O candidato de Sérgio Cabral, o vice-governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), aparece com 8%, empatado com o deputado federal Romário (PSB). Por fim, aparece Miro Teixeira (PDT), com 6%.

No segundo cenário, sem a candidatura de Lindbergh, Maia e Garotinho aparecem empatados em primeiro, com 20%. Pezão vem em seguida, com 12%, e Miro Teixeira continua na lanterna, com 9%.

Reforma política tem apoio

A proposta defendida pela presidenta Dilma de um plebiscito para decidir sobre a criação de uma assembleia constituinte específica para a realização da reforma política foi bem aceita pela população. Segundo o Datafolha, 68% dos entrevistados concordam com a proposta de plebiscito. Além disso, 73% aprovam a ideia de uma constituinte para discutir o tema, a despeito do plebiscito.