Você está aqui: Página Inicial / Política / 2013 / 07 / Bancada do PT paulista quer CPI para investigar cartel em licitações do metrô

Bancada do PT paulista quer CPI para investigar cartel em licitações do metrô

Corrupção
por Redação RBA publicado 16/07/2013 13h40, última modificação 16/07/2013 19h22
Corrupção
Marcel Canfield/CC
metro_Marcel Canfield.CC.jpg.jpg

O cartel envolveria multinacionais como Siemens, Alstom, Bombardier, CAF e Mitsui

São Paulo – Em entrevista à Rádio Brasil Atual, o deputado estadual Luiz Cláudio Marcolino (PT) ressalta a necessidade de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o envolvimento de empresas na formação de cartel na licitação para a compra de equipamentos e para construção e manutenção de linhas do Metrô de São Paulo.

"Vamos cobrar do governador Geraldo Alckmin (PSDB) que ele autorize a base aliada a assinar a instalação da CPI. Se ele faz isso, a gente pode fazer a investigação na própria Assembleia Legislativa", diz Marcolino.

A multinacional alemã Siemens relatou na semana passada a autoridades antitruste brasileiras a formação de cartel em licitações referentes a linhas ferroviárias e metroviárias de São Paulo e Distrito Federal. O cartel envolveria outras multinacionais, como a francesa Alstom, a canadense Bombardier, a espanhola CAF e a japonesa Mitsui, além da própria Siemens, que se comprometeu a colaborar com as investigações.

Segundo investigações de 2008, a filial suíça da multinacional Alstom usou empresas sediadas em paraísos fiscais e conta de doleiros brasileiros. A bancada do PT levantou dados em que a Alstom teria firmado 139 contratos com governos do PSDB, totalizando uma quantia de R$ 7,5 bilhões.

Os contratos envolvem o Metrô, a Companhia Energética de São Paulo (Cesp), a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), a Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP), a  Eletropaulo e Sabesp, entre outras empresas.

No caso da Siemens, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) fechou um acordo que pode garantir a isenção da empresa e dos executivos. Pelo acerto, o Cade concentra os dados e repassa ao Ministério Público o material para as investigações.

Ouça a reportagem completa na Rádio Brasil Atual.

registrado em: , , , , ,