Você está aqui: Página Inicial / Política / 2013 / 06 / Ativistas da juventude manifestam a Dilma apoio a plebiscito

Ativistas da juventude manifestam a Dilma apoio a plebiscito

por Danilo Macedo, da Agência Brasil publicado 28/06/2013 15h12, última modificação 28/06/2013 15h39
Antonio Cruz/ABr
DilmaJovens.jpg

Movimentos pelos direitos dos jovens e estudantes se reúnem com Dilma Rousseff para avaliar reivindicações

Brasília – Representantes de mais de 20 movimentos sociais organizados de jovens apoiaram hoje (28), em reunião com a presidenta Dilma Rousseff, a proposta de realização de um plebiscito para balizar a reforma política no país. O principal ponto defendido pelas entidades é o financiamento público exclusivo de campanhas.

“Para nós, é essencial a participação popular na elaboração da reforma e, por isso, estamos elegendo a campanha pelo plebiscito e pela reforma política com participação popular contra o financiamento privado de campanha como a grande prioridade dos movimentos sociais organizados”, disse o secretário Nacional de Juventude da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Alfredo Santos Júnior.

O presidente do Conselho Nacional de Juventude, Alessandro Melchior, que também representa a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), ressaltou a importância das manifestações para a democracia e criticou excessos das políticas militares, informando que apresentará relatório à Comissão de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Segundo Melchior, o conselho considera as manifestações essenciais e naturais da democracia. "O que não é essencial e natural são as repressões policiais e, por isso, informamos hoje à presidenta da República que estamos elaborando um relatório de todas as violações e repressões ocorridas em todos os estados, responsabilizando as polícias militares e os governos dos estados", disse ele. O relatório será entregue à presidenta e à Comissão de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos.

De acordo com a secretária nacional de Juventude da Secretaria-Geral da Presidência, Severine Macedo, os representantes dos movimentos de juventude levaram à presidenta Dilma a demanda pelo aprofundamento da participação política dos jovens. Ela disse que o país tem 51 milhões de jovens entre 15 e 29 anos, que, no atual sistema político, tem dificuldade para disputar eleições, eleger-se e ocupar espaços representativos. “Nós, do governo, precisamos ampliar e qualificar os espaços de participação e de ouvir a opinião da juventude.”

Para tanto, adiantou Severine, o governo criará, daqui a duas semanas, um observatório participativo, que será um canal de diálogo permanente com os jovens, por meio das redes sociais, “para consultas públicas, mas também para aprofundar o conteúdo a cerca das políticas públicas de juventude”, nas áreas de saúde, educação, mobilidade urbana e segurança.