Home Política Nova classe média faz Dilma ampliar direitos do consumidor

Nova classe média faz Dilma ampliar direitos do consumidor

Plano anunciado hoje dá ao tema status de política de Estado; entre outras medidas, prevê fortalecimento dos Procons e das agências reguladoras, bem como maior controle e transparência sobre pacotes e tarifas
Publicado por Redação da RBA
12:11
Compartilhar:   

Dilma durante o anúncio das novas medidas de proteção ao consumidor (Foto:Roberto Stuckert Filho/PR)

São Paulo – Na esteira da expansão da renda do brasileiro, do aumento das vendas de produtos e serviços e do surgimento da chamada nova classe média, o governo federal anunciou nesta sexta-feira (15) um pacote de medidas para regular as relações de consumo do país – o Plano Nacional de Consumo e Cidadania (Plandec). 

“Um país que retirou milhões de pessoas da miséria, que chegou ao pleno emprego, e que ampliou o acesso de sua população ao consumo, tem a obrigação de garantir o respeito aos direitos dessas pessoas que passaram a adquirir mais produtos e serviços”, disse a presidenta Dilma Rousseff durante o anúncio das medidas, que têm como um de seus pontos principais o fortalecimento das agências reguladoras. Ela disse que, com o plano, o Brasil passa a tratar o direito do consumidor como política de Estado.

José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça, destacou a necessidade de estabelecer um sistema que previna conflitos, que solucione os problemas rapidamente e com menos custos ao Estado e que também estabeleça sanções justas em caso de desrespeito ao Código de Defesa do Consumidor.

“Isso é bom para todos”, frisou Cardozo. “Um sistema bem calibrado de defesa das relações de consumo não é só punitivo. É também necessário haver uma política que permita aos setores produtivos terem condições de melhorar seus serviços e produtos”, concluiu.

Será criada a Câmara Nacional de Relações de Consumo, composta pelos ministérios de Justiça, Fazenda, Desenvolvimento, Planejamento e Casa Civil. A câmara deverá formular, em 30 dias, uma relação de produtos essenciais ao consumidor, que deverão ter eventuais problemas solucionados imediatamente pelas empresas.

Os serviços e os produtos tidos como essenciais, como telecomunicações e bancários, também passarão a ter regras mais claras para ofertar pacotes e combos, comparação entre tarifas e taxas, canais de atendimento ao consumidor etc. Ainda serão criados, na primeira etapa do plano, três comitês que formarão um observatório nacional das relações do consumo.

Segundo anunciado, o Plandec prevê também o fortalecimento dos Procons – uma ação que precisará ser aprovada pelo Congresso Nacional. O plano dá às decisões dos órgãos de defesa do consumidor o título executivo judicial, o que antecipará a decisão de conflitos, como forma de diminuir a demanda e a pressão sobre o Judiciário.

“O custo de cada ação na Justiça para resolver desavenças entre consumidor e empresa é de mil reais. Mas o custo médio dos produtos e serviços alvos de processos é de R$ 300. Ou seja, para resolver um problema de R$ 300, o Estado gasta mil. É uma discrepância que agora terá uma política pública para ser sanada”, disse o ministro Cardozo.

Para a presidenta, o lançamento do Plano Nacional de Defesa do Consumo e Cidadania marca o estabelecimento de uma nova forma de poder público e privado se relacionarem com os cidadãos e clientes. “De agora em diante, o país tem uma política de Estado para garantir que, à medida que conquistamos mais direito a consumir, que possamos consumir com direitos”, definiu, citando o mote de lançamento do plano.

registrado em: , ,