Home Política Vitorioso, Haddad propõe derrubar ‘muro da vergonha’ e unir a cidade

Vitorioso, Haddad propõe derrubar ‘muro da vergonha’ e unir a cidade

'Pela vontade soberana dos paulistanos, sou agora o prefeito eleito de São Paulo', disse o petista em um hotel alugado para a festa na região dos Jardins
Publicado por Eduardo Maretti, da RBA
20:50
Compartilhar:   

Haddad afirmou que sua eleição representa o sentimento de mudança da população (Fotos: Gerardo Lazzari. Rede Brasil Atual)

São Paulo – O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad, agradeceu os eleitores, a militância, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff no primeiro discurso após a confirmação da vitória. Como de praxe, o petista pregou a unidade e cobrou a derrubada do “muro da vergonha” que separa a cidade rica da cidade pobre. A fala de comemoração foi um resumo do tom de sua campanha no segundo turno, pregando a vontade de mudança dos paulistanos.

Ele disse que o objetivo central, “delineado, discutido e aprovado pela população de São Paulo” é “diminuir a grande desigualdade existe na nossa cidade, é derrubar o muro da vergonha que separa a cidade rica da cidade pobre”. “Somos uma das cidades mais ricas e, ao mesmo tempo, uma das mais desiguais do planeta. Não podemos deixar que isso siga assim, por tempo indeterminado, exatamente no período em que o Brasil vem passando por uma das mudanças sociais mais vigorosas do mundo. A prefeitura tem um papel importante nisso, pois é ela que cuida da oferta e da qualidade de alguns dos serviços públicos mais essenciais.”

No discurso, Haddad homenageou em primeiro lugar e especialmente aquele que foi o criador de sua candidatura: “Quero agradecer do fundo do coração o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Viva o presidente Lula”, falou ao microfone em um hotel alugado pela campanha na região dos Jardins, bairro de classe alta de São Paulo, cercado pelas lideranças que participaram da festa de sua eleição, entre os quais os ministros da Educação, Aloizio Mercadante, da Cultura, Marta Suplicy, e da Saúde, Alexandre Padilha. 

“Agradeço a presidenta Dilma pela presença vigorosa na campanha desde o primeiro turno, pelo estímulo pessoal e o conforto nos momentos maois difíceis dessa campanha”, prosseguiu o prefeito eleito.

Ao lado de ministros, Haddad fez agradecimentos especiais a Lula e Dilma

Ele mencionou também  os aliados e enfatizou a importância do apoio do PMDB ao falar dos “apoiadores que ampliaram nossa corrente no segundo turno, nos quais sintetizo minha homenagem e agradecimento nas figuras do querido deputado Gabriel Chalita (pausa para aplausos) e do vice-presidente Michel Temer”. 

Com elegância e ironia, Haddad agradeceu os opositores: “Porque me obrigaram nessa campanha a extrair o melhor de mim para poder superá-los numa campanha limpa e democrática.”

Fernando Haddad reafirmou o mote de sua campanha dizendo ter sido eleito “pelo sentimento de mudança que domina alma do povo de são Paulo. Fui eleito pela força deste signo. Ser prefeito pela força da mudança significa não ter tempo a perder. Significa sobretudo unir a cidade em torno de um projeto coletivo, de todos os paulistanos, de todos os moradores de São Paulo”. E acrescentou: “Melhorar os serviços públicos é também uma forma concreta de distribuir renda, diminuir os desequilibrios, aumentar e garantir a paz social. Esta não é uma tarefa fácil, dado a complexidade dos problemas que veem se acumulando. Mas se São Paulo não conseguir resolver seus problemas, que cidade no Brasil e no mundo conseguirá fazê-lo? O fracasso de São Paulo seria o fracasso desse genial modelo de convivênvia, que a humanidade desenhou ao longo dos séculos para sobreviver e ser feliz. Essa invenção insuperável do gênio humano chamada cidade.”