Home Política Fora do PV, grupo de Marina ensaia primeiros passos

Fora do PV, grupo de Marina ensaia primeiros passos

'Sonháticos', em primeira reunião depois de sair do PV, querem 'outra política'
Publicado por virginiatoledo
12:21
Compartilhar:   

São Paulo – Cerca de 150 “sonháticos” participaram da primeira reunião dos dissidentes do PV e simpatizantes de Marina Silva após a debandada do partido. A candidata terceira colocada na eleição à Presidência da República, porém, não compareceu – está de férias no Acre. Denominado de “Terça-feira Sonhática”, o encontro foi definido pelos organizadores do Grupo de São Paulo como “aquecimento de tambores” para que o movimento tome formas e comece a definir a “nova política”, como os entusiastas definem o momento pelo qual Marina e seu grupo passam.

Simpatizantes e ex-filiados do partido verde de várias partes do Brasil, que participaram presencial ou virtualmente do debate, definiram o momento como de “dispersão criativa”. Os integrantes terão tempo para pensar o que querem para esse novo movimento que, segundo eles, será pautado, acima de tudo, pela ética. Eles esperam que a discussão volte com mais força assim que Marina Silva voltar de férias, no mês de agosto.

Sentados em círculos em cadeiras ou até no chão, os participantes expuseram o desalento com o atual modelo político. A discussão mostrou poucos consensos para além das críticas à conduta de partidos atuais, embora parte das intervenções, presenciais ou por teleconferência, tentassem buscar pontos em comum. Manifestações de ruas como fizeram jovens na Espanha e no Chile, mobilização em redes sociais e fazer “a nova política” no cotidiano estavam entre as opções levantadas.

Uma das estrelas do grupo, o empresário Ricardo Young, que concorreu a uma cadeira no Senado nas últimas eleições, defendeu uma outra forma de ir às ruas. Sem temores de arrefecer o ânimo de “corações desencontrados”, o ex-verde defendeu que não se almeje reunir milhares para protestar em praças públicas. “Precisamos ir para as ruas para procurar entender como isso pode se dar e como será determinado esse movimento”, finalizou.

O encontro, apesar do caráter informal, delineou os primeiros passos do movimento liderado por Marina Silva. Maurício Brusadin, ex-presidente do diretório estadual de PV em São Paulo e organizador do encontro, enfatizou que o movimento dos dissidentes verdes não terá a “verticalização da política, em que se espera que caciques ou pastores estejam no comando, dizendo o que pode ser feito ou não.” Segundo ele, os encontros promovidos em todo o país formalizarão, aos poucos, um documento que será a oficialização do movimento.

Young, que também deixou o partido no dia 7 de julho, avaliou o movimento que nasceu recentemente como um fluxo e que terá uma direção a ser dada pelo entendimento sobre o que move as pessoas e o que elas querem com “essa nova forma de fazer política”. Para ele, o que move o mundo é o desejo profundo de definir a participação de cada um na sociedade. “Estamos num estágio de escuta. Escutar aquilo que faz sentido às pessoas e o que elas estão buscando”, enfatizou, com ar filosófico.

Nem partidos, nem ONGs

Para Ricardo Young, há algum tempo as pessoas deixaram de acreditar na política tradicional e buscaram espaço na militância ligada a causas, como as ONGs. Porém, mesmo estas organizações deixaram de corresponder às expectativas da nova militância quando se tornaram fiéis demais às causas e deixaram de escutar. “As pessoas hoje não se reconhecem na política tradicional e também não se reconhecem completamente nessas entidades da sociedade civil. Por isso, buscam seus desejos e vontades através das redes”, definiu o ex-verde.

registrado em: , ,