Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 10 / Tom da campanha de Serra intimida ala progressista do PSDB, analisa professor da USP

Tom da campanha de Serra intimida ala progressista do PSDB, analisa professor da USP

por suzanavier publicado 26/10/2010 13h29, última modificação 26/10/2010 14h30

O candidato José Serra na missa de Nossa Senhora Aparecida no último dia 12, junto com o governador eleito de São Paulo Geraldo Alckmin e seu vice Índio da Costa (Foto: Cacalos Garrastazu/ObritoNews)

São Paulo – A campanha do candidato à Presidência da República José Serra (PSDB) com o uso de questões religiosas e acusações causa mal-estar no interior do PSDB, avalia o professor universitário e urbanista Nabil Bonduki. As afirmações foram feitas durante ato de estudantes, intelectuais e professores na Universidade de São Paulo (USP), na segunda-feira (25), em apoio a Dilma Rousseff (PT). Ele qualificou a campanha como "apelativa"e criticou o que considera ser uma tentativa de esconder diferenças propostas por cada coligação.

"Setores progressistas do PSDB hoje estão até intimidados de participar da campanha do Serra", afirmou. Em entrevista à Rede Brasil Atual, Bonduki analisa que Serra perdeu a oportunidade de debater projetos e programas de governo no segundo turno. Ao contrário, o candidato optou por "artifícios para esconder projetos políticos e propostas de governo; Ele busca esconder diferenças de projeto", enfatiza.

O tom da campanha do tucano também serviu para despertar reações da sociedade, acredita o professor. "Estamos numa campanha suprapartidária em apoio à Dilma. Mas não à Dilma (pessoalmente), mas ela como representante de um projeto contra o Serra, que nessa campanha cada vez mais se configurou o candidato que está representando a direita no país", dispara o professor.

Outra contradição, segundo Bonduki, é o fato da imprensa poupar o governo do PSDB em São Paulo de críticas sobre os problemas no estado. "São Paulo é o estado mais rico do país e é o estado aonde mais se teria condição de enfrentar os problemas estruturais de educação, saúde, habitação, assistência social. O que a gente vê é que São Paulo está se afundando. São Paulo continua com os problemas estruturais e não está aproveitando esse momento importante do país", avalia o urbanista.

Semelhanças com a ditadura

Jamil Murad, vereador na capital paulista pelo PCdoB, vê semelhanças do atual momento eleitoral com o golpe militar que levou à ditadura no Brasil. Murad aponta que sentiu no câmpus da USP de Ribeirão Preto (município a 200 quilômetros de São Paulo) a manipulação e a fraude de mobilização de setores reacionários durante a ditadura.

"Seja em nome de Deus, do suposto combate à corrupção, da democracia... Eles mobilizaram e golpearam o povo", recorda. "Impuseram uma noite longa de sofrimento, obstrução do progresso político, social, econômico do país e do povo", descreve o parlamentar. "Eu estou vendo a tentativa de manipular de novo as mesmas bandeiras. As mesmas falsas causas para golpear o povo agora na forma de impedir a eleição da Dilma", acusa Murad.