Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 10 / Serra atribui a construtora irregularidades no metrô de SP

Serra atribui a construtora irregularidades no metrô de SP

por Redação da RBA publicado , última modificação 26/10/2010 17h10

O candidato tucano à presidência dentro de um vagão do metrô de São Paulo durante campanha (Foto: Cacalos Garrastazu/Obrittonews)

São Paulo - O candidato à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, defendeu nesta terça-feira (26) a suspensão do andamento das obras da linha 5-lilás do metrô de São Paulo para investigação de denúncia de esquema de fraude na licitação da obra. Ele defendeu a atuação da estatal do governo paulista e atribuiu às construtoras eventuais irregularidades na licitação. 

"Acho que o governo (estadual) deveria promover uma investigação suspendendo o andamento. Essa é a minha opinião pessoal", disse José Serra a jornalistas após reunião em que recebeu o apoio da bancada do Partido Verde na Assembleia Legislativa de São Paulo.

A denúncia foi publicada no jornal Folha de S.Paulo. Seis meses antes da divulgação do resultado final, o jornal registrou em cartório o resultado de licitações dos lotes 3 a 8 da linha 5-lilás do metrô.  A licitação foi aberta em outubro de 2008, quando Serra era o governador de São Paulo. Ele deixou o cargo este ano para concorrer à Presidência da República, sendo substituído pelo vice Alberto Goldman (PSDB).

"Eu acho que isso tem de ser investigado. Eu lembro – eu não era mais governador – que o metrô inclusive anulou uma concorrência porque não gostou dos preços apresentados e exigiu a diminuição dos preços. E isso aconteceu na outra licitação. Portanto, do ponto de vista dos custos, o metrô atuou impecavelmente. Se houve ou não entendimento entre os construtores, é uma questão que a meu ver, deve ser investigada."

Questionado sobre o depoimento dado à Polícia Federal em que a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra havia confirmado reuniões com pessoas ligadas a suposto esquema de lobby no ministério, Serra aproveitou para ironizar a presidenciável Dilma Rousseff (PT). "Pelo menos, agora, a candidata Dilma não vai poder atribuir (as denúncias) à imprensa, como fez."

Com informações da Reuters