Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 10 / Para bispo, aborto foi usado para tirar distribuição de renda do debate eleitoral

Para bispo, aborto foi usado para tirar distribuição de renda do debate eleitoral

Dom Angelico Sandalo condena uso da Igreja para fins eleitorais e lembra que papa também criticou outros temas, como uso da propriedade e a riqueza
por patriciasanfer publicado , última modificação 29/10/2010 17h45
Dom Angelico Sandalo condena uso da Igreja para fins eleitorais e lembra que papa também criticou outros temas, como uso da propriedade e a riqueza

São Paulo - "É tirar o texto do contexto para virar pretexto", diz dom Angélico Sândalo Bernardino, ex-bispo de Blumenau. Ele usou as palavras para explicar como vê o retorno do debate sobre a prática do aborto na arena eleitoral, após o papa Bento XVI ter orientado bispos a emitir juízo moral, mesmo em questões políticas.

Em entrevista à Rede Brasil Atual, dom Angélico disse ser desonesto fazer o papa de cabo eleitoral e reafirmou que a Igreja não deve ter partido político nem candidato. "Os católicos apostólicos romanos já foram orientados. Não faz o menor sentido esse assunto voltar à tona. Não cabe a nós, bispos, apontar ou proibir determinado partido ou candidato. Devemos deixar para a maturidade do eleitor a responsabilidade da eleição", ressalta.

Ao contrário do que muitos interpretaram, para o bispo, o papa não tinha qualquer "intenção eleitoreira" em seu discurso, já que ele falava para um grupo restrito de determinada região do Brasil, o Maranhão.

"O aborto é bandeira que a Igreja levanta no mundo todo, e a Igreja realmente é contra. Não há novidade nenhuma nisso e no fato de que nós devemos sempre orientar os fieis. Além dos mais, temos outros princípios morais, de justiça e ética a respeito da pobreza, do uso da propriedade, da riqueza que se acumula nas mãos de poucos, da miséria, da guerra, da corrida armamentista, enfim, de tudo que fere a dignidade humana. O leque é muito vasto. Mas resolveram só falar do aborto”, condena o religioso.

Na opinião de dom Angélico, Bento XVI estava apenas cumprindo protocolo da doutrina social da Igreja, sem intenções de manipular as eleições presidenciais no Brasil. Ele afirma que a responsabilidade episcopal é muito vasta e, ao receber visitas, Bento XVI tem falado de muitos assuntos, como o acúmulo de riqueza e a exploração de menores.

Temas como esses, relevantes para a pauta das eleições, foram deixados de lado. Na visão do bispo, a razão para isso pode estar no fato de que discutir distribuição de renda não interessa aos "polemizadores do aborto". O que houve, para o bispo, foi a apropriação de algo que é assunto corriqueiro na Igreja para fins eleitorais.

"Isso é instrumentalização. O Papa falou o que fala dentro e fora das eleições. E vale para o Brasil, a Alemanha, a Rússia, a China. Não faz sentido trazer para o debate político. Até mesmo porque, tanto o candidato José Serra (PSDB) quanto a candidata Dilma Rousseff (PT) já se pronunciaram contra o aborto. Vamos discutir os temas da pauta eleitoral”, protestou dom Angélico.

Sobre a Igreja ter sido pressionada pela mídia quando o tema eclodiu nas eleições presidenciais, o bispo lembrou que, apesar de a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em três declarações distintas, ter pontuado que a Igreja não apoia nem partido nem candidato, a Comissão em Defesa da Vida do estado de São Paulo divulgou nota incitando os fiéis a não votar em Dilma. A Regional Sul 1 da CNBB produziu um folheto no mesmo sentido.

“Isso foi completamente contra a orientação da CNBB. Mas é bom que se diga que os próprios bispos do estado de São Paulo, reunidos em Itaici (interior paulista) há poucos dias, fizeram declaração, dizendo-se em sintonia com as declarações da CNBB”, comenta.

Colaborou Suzana Vier