Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 09 / Perillo teme 'onda vermelha', após comício de Lula em GO

Perillo teme 'onda vermelha', após comício de Lula em GO

Desafeto de Lula, tucano vê visto de o país se converter "num México ou numa Venezuela"
por fabiooscar publicado 13/09/2010 19h27
Desafeto de Lula, tucano vê visto de o país se converter "num México ou numa Venezuela"

Perillo ao lado de Serra, no sábado (11), em campanha na capital Goiânia (Foto: Wagnas Cabral/Divulgação)

São Paulo - O avanço de candidatos apoiados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva tornou-se motivo de preocupação do senador Marconi Perillo (PSDB), candidato ao governo de Goiás. Desafeto de Lula, o tucano mostrou-se preocupado com a "onda vermelha" que, segundo ele, avança sobre o país. No estado, o movimento beneficiaria Iris Rezende (PMDB), que foi ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso.

“É um tsunami”, disse Perillo. Para o candidato, o PT quer transformar o país "num México ou numa Venezuela". “Eles (PT) querem aniquilar as lideranças de oposição e varrer do mapa estas lideranças, derrotando os principais senadores e deputados que fazem oposição ao governo federal” ressaltou.

Toda a revolta do senador ocorreu uma semana após um comício que contou com a participação do presidente Lula na semana passada, em Valparaíso (a 180 quilômetros da capital) ao lado da presidenciável Dilma Roussef para apoiar Íris Rezende. Perillo afirmou que, na Venezuela, a imprensa foi aniquilada. "Quem não fala a linguagem do governo, tem o jornal fechado", acusou.

O vice-presidente do Senado comemorou o fato de  a oposição manter 28 congressistas – o que foi decisivo em 2009 para prolongar a crise na Casa, com pressões para a saída de José Sarney (PMDB-AP) da presidência. O Segundo ele, a estratégia do PT de fazer maioria no Senado neste ano compõe as ações que, em sua visão, comprometeriam a democracia.

No início da última semana o comício entusiasmou os peemedebistas. Apostando que as palavras do presidente surtirão efeitos positivos, a base de Íris concentra esforços na estratégia de colar ainda mais a imagem de dele à de Lula e Dilma. A imprensa local informa que o material de campanha terá destaque para Lula e Dilma e deve adotar o vermelho como cor predominante.

Para intensificar a campanha nesta reta final, o partido também promete resolver rapidamente os problemas de estrutura que ainda se configuram como um entrave para a campanha, como transporte e contratação de cabos eleitorais.

O comício gerou muita expectativa a respeito de como o eleitor iria reagir ao fato político da semana. A pesquisa Ibope divulgada na sexta-feira (10), registrou uma oscilação negativa de Iris Rezende, que caiu um ponto percentual em relação à última pesquisa. O tucano perdeu três, em variação ainda inferior à margem de erro. Ele aparece com 33% das intenções de voto contra 42% de Perillo.

Discurso de Lula

No comício em Valparaíso, Lula afirmou que não gostaria que Dilma enfrentasse os mesmos problemas que ele em relação aos senadores. De acordo com o presidente, Marconi Perillo seria um dos que se opuseram ao seu governo, e foi enfático ao pedir para que o eleitor olhasse nos olhos de Iris e de Marconi, e visse quem está falando a verdade.

O presidente também criticou a primeira campanha de Marconi Perillo ao governo do Estado, em 1998. De acordo com Lula, quem venceu aquela eleição foi o personagem humorístico Nerso da Capitinga, transformando a política em “algo menor”. Na ocasião, o personagem foi o principal responsável por críticas a Iris Rezende. No discurso, Lula afirmou que a Companhia Energética de Goiás (Celg) passa por problemas cuja responsabilidade ele atribuiu a Perillo.