Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 09 / No SPTV, Alckmin não esclarece deficiências do transporte público

No SPTV, Alckmin não esclarece deficiências do transporte público

por jessicasouza publicado 15/09/2010 14h09, última modificação 15/09/2010 14h45

Alckmin reconhece que há muito o que melhorar na educação (Foto:Zé Paulo Cardeal/TV Globo/Divulgação)

São Paulo - O candidato ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), se complicou ao responder sobre a lentidão nas obras relacionadas ao transporte público no estado. Em entrevista ao SPTV, telejornal local da TV Globo, o candidato foi questionado sobre a superlotação nos trens e se esquivou citando dados sobre as atuais obras do metrô. Um dos temas da entrevista foi a confusão na estação de Guaianazes, ocorrida na manhã desta quarta-feira (15), em que usuários se revoltaram com uma locomotiva parada e causaram quebra-quebra na estação.

Alckmin rebateu a crítica sobre a lentidão discursando, por quatro minutos – metade dos oito minutos de entrevista –, sobre as realizações dos governos do PSDB na área de transporte. Ele citou obras da gestão de Mário Covas (de 1995 a 2001) até a de Jose Serra (de 2006 a 2010). "Fiz a primeira Parceria Público Privado do país, parceria público-privada, na Linha 4 do Metrô, que é a chamada linha da integração, a Linha Amarela", orgulhou-se. A linha amarela teve grandes atrasos nas obras e um desabamento na estação Pinheiros em 2007, com a morte de sete pessoas e danos em imóveis da área.

A obra do rodoanel também foi questionada pelo fato de já estar em construção há mais de 16 anos. Alckmin afirmou que a obra começou praticamente no ano 2000 e que em seu governo entregou a asa leste e que o presidenciável José Serra construiu a asa sul em 40 meses.

Educação e habitação

Alckmin reconheceu que há muito o que melhorar e afirmou que colocará R$ 1 bilhão a disposição das prefeituras para a abertura de 200 mil vagas em creches. Alckimin afirmou ainda ter implantado 500 escolas de tempo integral e prometeu expandir a modalidade, assim como o ensino técnico.

"Eu acredito no que? Investir no professor, capacitação permanente de professor, estímulo, estímulo financeiro, estímulo pedagógico e aluno mais tempo na escola, escola de tempo integral", explicou. As gestões do PSDB são criticadas por sindicatos de funcionários públicos, incluindo de professores, pela falta de negociação com os trabalhadores.

O candidato do PSDB afirmou que São Paulo é o único estado brasileiro a disponibilizar verba para a construção de casas populares. "Nós já fizemos 300 mil casas e apartamentos no estado desde o Covas, agora pretendo usar essa verba para subsidiar moradias para famílias de menor renda."

Na quinta-feira (16), Paulo Skaf (16) será entrevistado ao vivo. As participações dos candidatos Fábio Feldmann (PV) e Paulo Búfalo (PSOL) serão gravadas e apresentadas na sexta (17) e no sábado (18). Aloízio Mercadante (PT) e Celso Russomano (PP) foram entrevistados na segunda e terça-feiras (13 e 14).

Clique aqui para ler na íntegra