Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 09 / Candidato à reeleição, Marcelo Déda é absolvido pelo TSE

Candidato à reeleição, Marcelo Déda é absolvido pelo TSE

Governador do SE enfrentava processo de cassação por suposto uso da máquina pública quando era prefeito
por Thalita Pires, da RBA publicado 22/09/2010 19h04, última modificação 22/09/2010 19h15
Governador do SE enfrentava processo de cassação por suposto uso da máquina pública quando era prefeito

O candidato Marcelo Déda (Foto: Janaína Santos/Divulgação)

Rio de Janeiro - Em decisão unânime, o tribunal Superior Eleitoral absolveu o governador do Sergipe e candidato à reeleição Marcelo Déda (PT). Ele era acusado de usar a máquina pública para ajudar na sua eleição para governador. Em 2006, Déda era prefeito de Aracaju (SE). Os ministros consideraram que o então prefeito havia cometido irregularidades os discursar em eventos patrocinados pela Prefeitura, mas que esses atos não configuram abuso de poder político.

"A análise dos fatos e provas constantes dos autos, no contexto geral de eleições estaduais, leva a concluir que essas condutas irregulares praticadas por Marcelo Déda, em março de 2006, mais de seis meses antes do pleito, não tiveram potencial lesivo suficiente para macular (as eleições)”, concluiu o ministro Aldir Passarinho Junior, relator do processo.

Marcelo Déda discursou em shows organizados pela Prefeitura. Os eventos contaram com a participação de artistas como Fábio Jr., Ana Carolina e Dudu Nobre. Em suas falas, Déda enalteceu obras efetuadas pela administração municipal e comparou suas realizações com as do governo estadual. A ação foi impetrada pelo antigo Partido dos Aposentados da Nação (PAN), partido incorporado pelo PTB, que declarou que não tinha interesse em manter o processo. No entanto, o relator originário, ministro Felix Fischer, considerou que a ação era de natureza pública.

Pelo Twitter, o candidato comemorou o resultado da ação. “Em todas as minhas declarações repeti como um mantra a minha confiança em Deus e na Justiça Eleitoral do meu país. Não confiei em vão”, escreveu Déda.