Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 07 / Após duas semanas, campanha eleitoral ainda espera por Lula

Após duas semanas, campanha eleitoral ainda espera por Lula

Analistas avaliam dimensão da influência do presidente Lula. Início do período oficial de disputa pelo voto é marcado por promessas e participação de Indio da Costa (DEM) como "porta-voz da agressividade" da oposição.
por anselmomassad publicado , última modificação 23/07/2010 18h25
Analistas avaliam dimensão da influência do presidente Lula. Início do período oficial de disputa pelo voto é marcado por promessas e participação de Indio da Costa (DEM) como "porta-voz da agressividade" da oposição.

Equilíbrio e dúvidas sobre o "peso" de Lula sobre decisão do eleitorado permanecem até aqui (Fotos: Roberto Stuckert Filho/Divulgação e Ana Paula Oliveira/Divulgação TV Brasil)

São Paulo - As duas primeiras semanas de campanha oficial seguem o ritmo do período anterior, quando as candidaturas já estavam definidas, mas mantém um padrão atípico em relação a pleitos anteriores. A avaliação é de cientistas políticos entrevistados pela Rede Brasil Atual. O cenário indica um período intenso de campanha nos meses de agosto e setembro, apesar de a campanha ter sido antecipada em função da desincompatibilização dos postulantes, em abril.

Ricardo Caldas, professor da Universidade de Brasília (UnB), não vê movimentos decisivos até o momento, sendo que a disputa presidencial vem sendo marcada por um grande equilíbrio. "Nenhum candidato despontou como franco favorito", pondera. Nem o favoritismo apontado até 2009 de José Serra (PSDB), nem o de Dilma Rousseff (PT), defendido neste ano, se confirmaram.

Para o cientista político Humberto Dantas, as duas primeiras semanas de campanha presidencial oficial mantiveram o ritmo igual ao período anterior. Apesar de continuar com muitas entrevistas à mídia e atividades. Para ele, os rumos da disputa ainda tendem a mudar quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarcar definitivamente na campanha.

"Lula estrapolou todos os limites do razoável (na pré-campanha), mas ele não usou tudo o que ele pode usar em benefício da Dilma", destaca. "Certamente ele vai protagonizar o horário eleitoral do PT. Alguém imaginou o que aconteceria quando o Lula aparecer chorando no programa do PT", avalia.

Caldas, porém, pondera que 75% dos eleitores, segundo a pesquisa Datafolha, já associam Dilma como candidata governista. "Lula já entrou na campanha. Sua influência existe, mas não se sabe o quanto representa", sustenta. "Ele pode ser decisivo para os 25% que ainda não sabem que Dilma é sua candidata, mas não é possível que parcela deles vai aderir à recomendação do presidente", avalia.

"Se as eleições fossem hoje, eu diria com 99% de certeza que haveria segundo turno. Mas até o fim da disputa, o papel dos debates deve ser bastante decisivo, mais do que em anos anteriores", acredita Caldas.

Na mídia

Para Dantas, a campanha começa apenas agora a alcançar a opinião pública em função do fim da Copa do Mundo de futebol e da redução da cobertura na mídia de outros eventos – como o caso do goleiro Bruno Fernandes e, mais recentemente, do filho da apresentadora Cissa Guimarães. "Agora o novo calendário da mídia tem de assumir a eleição como evento mais relevante", avalia.

Ele avalia que apenas a disputa à Presidência está em evidência, e lembra que há 54 vagas em disputa no Senado, 513 na Câmara Federal, 1.059 distrital e estadual, 27 de governador.

"A campanha presidencial foi muito antecipada", avalia Dantas. O motivo foi a necessidade de desincompatibilização de José Serra (PSDB) do governo de São Paulo e de Dilma Rousseff (PT) do cargo de ministra-chefe da Casa Civil. "A diferença agora é que o 'promessômetro' foi ligado em um limite muito forte", pondera.

Os compromissos assumidos durante a campanha têm relação, na visão do cientista político, com o cenário de empate técnico ou proximidade de percentual de intenção de voto dos candidatos à frente nas pesquisas.

"O cenário leva os candidatos a fazer 'médias' em ritmo maior que o normal, como o Serra dizendo não ser oposição ao Lula, e a Dilma dizendo nunca ter sido favorável ao aborto", comenta. "Os candidatos estão jogando para o público, para a galera e, em algum momento, isso será cobrado deles", acredita.

Vice

Dantas ressalta a diferença entre os candidatos a vice. Enquanto Indio da Costa (DEM) tem assumido uma postura de porta-voz da agressividade, Michel Temer (PMDB) mantém uma postura discreta. "Temer é uma figura para ser estudada pela antropologia, mas mesmo que ele tenha de assumir a Presidência, ele continuará a ser desconhecido, ele faz uma opção por ser oculto, de bastidores", constata.

Ele ressalta que os vices, em geral, não têm um papel importante na conquista de votos. "O que o Indio quer fazer é mostrar que existe utilidade em sua indicação, mas se sabe que um vice pouco ajuda, mas pode atrapalhar muito, porque o brasileiro não escolhe o candidato pelo vice", pondera.