Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 03 / Ministério Público pede mais prazo para investigar suposto esquema de corrupção coordenado por Arruda

Ministério Público pede mais prazo para investigar suposto esquema de corrupção coordenado por Arruda

por Lísia Gusmão publicado , última modificação 18/03/2010 18h40

Brasília – A Procuradoria-Geral da República pediu ao Superior do Tribunal de Justiça (STJ) que amplie em 30 dias o prazo das investigações do esquema de corrupção desmontado pela Polícia Federal no governo do Distrito Federal (DF) durante a Operação Caixa de Pandora. O inquérito, que corre em sigilo, aponta o envolvimento do ex-governador do DF, José Roberto Arruda (sem partido), de deputados distritais e de empresários na arrecadação e distribuição de propina.

O pedido para ampliar as investigações envolvendo Arruda e outras pessoas foi feito pela subprocuradora da República Raquel Dodge e deve ser analisado pelo ministro Fernando Gonçalves, relator do inquérito. Segundo ela, há perícias pendentes de conclusão e testemunhas que ainda não foram ouvidas, além de "outras diligências investigatórias essenciais para reunir indícios de materialidade e de autoria das infrações já apontadas, inclusive sobre os documentos e dados eletrônicos apreendidos nas buscas e apreensões realizadas em fevereiro e março de 2010”.

Arruda teve a prisão preventiva decretada pelo ministro Fernando Gonçalves em 11 de fevereiro por tentar interferir nas investigações do esquema de corrupção desarticulado em novembro de 2009. Os advogados do ex-governador – cujo mandato foi cassado na última terça-feira (16) pelo Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF) - tentam reverter a situação no STJ, já que os recursos foram negados no Supremo Tribunal Federal (STF).

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, defende, no entanto, que o governador permaneça preso até o fim das investigações. No parecer que será encaminhado ao STJ sobre o pedido de revogação da prisão preventiva de Arruda, o procurador deverá reforçar que ainda há provas a serem colhidas em diligências ainda em andamento. “A Procuradoria-Geral da República está correndo ao máximo para concluir as investigações, para que seja a primeira a requerer a soltura do governador. Mas, por enquanto, há provas a serem colhidas”, afirmou.

Fonte: Agência Brasil