Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 02 / Senador do DEM critica "omissão e covardia" do presidente do partido

Senador do DEM critica "omissão e covardia" do presidente do partido

Parlamentar diz que legenda tem cobrado posição mais forte da direção em relação ao caso que envolve o governador do Distrito Federal
por Marcos Chagas publicado , última modificação 11/02/2010 19h25
Parlamentar diz que legenda tem cobrado posição mais forte da direção em relação ao caso que envolve o governador do Distrito Federal

Brasília - O senador Demóstenes Torres (DEM-GO), membro da executiva nacional e presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) fez duras críticas nesta quinta-feira (11) ao presidente nacional do partido, deputado Rodrigo Maia, com relação a postura que tem adotado nos casos da suposta corrupção que envolvem o governador do Distrito Federal afastado do DEM, José Roberto Arruda, e parlamentares filiados ao partido.

"A omissão do presidente nacional do DEM é no mínimo um ato de covardia", disse o presidente da CCJ do Senado. Demóstenes Torres acrescentou que todo o partido tem cobrado "dioturnamente" uma posição mais firme de Rodrigo Maia diante de uma situação que "extrapolou os limites do governo do Distrito federal e já atinge o partido nacionalmente".

O parlamentar acrescentou que diante da posição adotada pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Fernando Gonçalves de pedir a prisão de Arruda e de mais cinco pessoas ligadas ao governo, alguns deles parlamentares, é necessário que a executiva nacional "dissolva de imediato" o diretório regional em Brasília e expulse "sumariamente os parlamentares do DEM ligados aos casos de corrupção na capital federal".

O parlamentar ressaltou que essa postura deveria ter sido adotada quando o partido abriu processo de expulsão de Arruda logo que as primeiras denúncias vieram à público. À Agência Brasil, o senador afirmou que caso Rodrigo Maia não tome decisões firmes com relação a questão, ainda nesta semana, ele e o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) tomarão providências independente da posição adotada pelo comando nacional do partido. Torres não antecipou quais seriam estas providências.

Fonte: Agência Brasil