Você está aqui: Página Inicial / Política / 2009 / 06 / Minc diz que ruralistas não vão conseguir tirá-lo do governo

Minc diz que ruralistas não vão conseguir tirá-lo do governo

Ministro rebateu críticas da senadora Kátia Abreu, que protocolou denúncia por crime de responsabilidade contra Minc
por Luana Lourenço publicado , última modificação 02/06/2009 16h55
Ministro rebateu críticas da senadora Kátia Abreu, que protocolou denúncia por crime de responsabilidade contra Minc

Brasília - O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse que os ruralistas não vão conseguir tirá-lo do governo. Minc fez a afirmação ao comentar a denúncia por crime de responsabilidade protocolada contra ele nesta terça-feira (2) pela Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) na Comissão de Ética Pública da Presidência da República e na Procuradoria Geral da República.

“Os ruralistas estão desesperados, querem me tirar do governo. Podem me insultar e continuar pedindo a minha cabeça, mas eu vou continuar governando”, afirmou. “Ao que me conste, o Brasil é comandado pelo presidente Lula e não pelos ruralistas. Aliás, se fosse pelos ruralistas, não haveria o Bolsa Família e, sim, o Bolsa Latifundiário.”

Para Minc, a ofensiva dos ruralistas é uma resposta ao “pacto” firmado entre a área ambiental e a agricultura familiar. Segundo ele, durante anos os grandes agricultores aterrorizaram os pequenos em relação às exigências ambientais.

“Isso [o pacto entre ambientalistas e agricultura familiar] foi uma derrota para os ruralistas”, disse Minc durante entrevista coletiva para comentar os dados sobre o desmatamento divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

“A senadora Kátia Abreu, inclusive, é uma pessoa muito simpática, muito agradável. A única grande derrota dela foi essa, o que talvez a tenha tirado do sério”, disse o ministro.

O ministro voltou a afirmar que os ruralistas estão usando os agricultores familiares como “massa de manobra” para defender interesses próprios na discussão de mudanças no Código Florestal.

Ele disse que pretende firmar um pacto com a grande agricultura, mas mantendo a diferenciação entre pequenos e grandes produtores. “Reconhecemos que o setor tem grande importância para o país, com as exportações, com os empregos, mas é claro que tem que ser tratado de forma diferente dos pequenos produtores.”

Informações da Agência Brasil.