Você está aqui: Página Inicial / Política / 2009 / 06 / Gilmar Mendes é alvo de protesto contra queda do diploma

Gilmar Mendes é alvo de protesto contra queda do diploma

Presidente do STF almoçava com empresários em hotel onde estudantes de jornalismo se manifestavam contra o fim da obrigatoriedade do diploma para exercício da profissão
por Gilson Monteiro, Jornal Brasil Atual publicado , última modificação 23/06/2009 09h43
Presidente do STF almoçava com empresários em hotel onde estudantes de jornalismo se manifestavam contra o fim da obrigatoriedade do diploma para exercício da profissão

Cerca de 200 estudantes de várias universidades protestaram na segunda-feira (22) contra a decisão do Supremo Tribunal Federal que derrubou a exigência do diploma para o exercício do jornalismo. Manifestações semelhantes foram realizadas em várias cidades, como Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Teresina (PI), Caxias do Sul (RS) e  Porto Alegre (RS).

De acordo com Murillo Nascimento, do diretório acadêmico de comunicação da PUC de Campinas, o protesto serve para demonstrar que o estudante está atento e preocupado com o futuro da profissão. Para ele, a decisão tomada não levou em conta a opinião de quem trabalha ou estuda   comunicação.

"É uma decisão equivocada, porque não houve um trabalho junto a estudantes, não houve um questionamento junto a profissionais da área, é uma decisão de advogados, de juízes, que não vivem a profissão, não convivem com o jornalismo, que não correm atrás de notícias e não informam a sociedade", lamenta. O estudante Murillo Nascimento acrescenta que outros atos serão realizados até que a sociedade tenha conhecimento do grande prejuízo que está sofrendo.

Para o presidente do sindicato dos jornalistas de São Paulo, a manifestação dos estudantes tem peso, mesmo após o resultado já proclamado pelo STF. José Augusto Camargo não considera o ato sem efeito já que o objetivo maior é demonstrar o grau de indignação à sociedade. "No estágio atual, a decisão só pode ser revertida por meio de uma mudança na legislação, já que a legislação anterior foi considerada inconstitucional pelo Supremo", avalia. Por isso, ele avalia que o alvo da pressão é o Congresso Nacional.

O ato dos estudantes terminou em frente ao hotel onde o ministro Gilmar Mendes almoçava com empresários. Depois do evento, o presidente do STF foi várias vezes questionado pelos jornalistas quanto à decisão. Quando o assunto foi a manifestação, Gilmar Mendes disse considerar o ato normal e se esquivou da responsabilidade afirmando que talvez houvesse uma falta de compreensão por parte dos estudantes. "Na verdade, estão protestando não contra mim, mas contra a decisão do Supremo. Eu apenas proferi um voto, dentre os nove proferidos contra a legitimidade da regulamentação", opinou.

Um ato simultâneo intitulado “Saia fora Gilmar Mendes” está programado para esta quarta-feira (24) em várias capitais brasileiras. Em São Paulo a chamada vigília por uma nova Luz no Judiciário Brasileiro será realizada na avenida Paulista, na altura no metro consolação a partir das 18h.