Transição

Democratas dão ultimato a vice-presidente dos EUA para afastar Trump do cargo

Presidente da Câmara deu 24 horas a vice para ativar 25ª emenda. Caso contrário, vai entrar com impeachment de Trump

Andrea Hanks/Casa Branca
Mike Pence pode ativar a 25ª emenda da Constituição para afastar Trump do cargo

OperaMundi  – A presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, afirmou neste domingo (10) que está pronta para iniciar o segundo processo de impeachment contra o presidente Donald Trump, a menos que ele seja destituído do cargo nos próximos dias. Os democratas estão determinados a iniciar um segundo processo de impeachment contra Donald Trump, após a invasão do Congresso na semana passada. No campo republicano, vários parlamentares se mostram abertos à ideia de apoiar a medida. Se for condenado, Trump se tornaria inelegível. Mas o primeiro passo da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, será pedir ao vice-presidente Mike Pence para destituir Trump por incapacidade, com base na 25ª emenda à Constituição.

A 25ª Emenda permite que o vice assuma a liderança do país quando o presidente estiver impossibilitado de continuar a exercer suas funções – por exemplo, se ficar incapacitado devido a uma doença física ou mental. Os democratas veem Donald Trump como “desequilibrado” e perigoso, principalmente depois dele ter incentivado seus apoiadores a invadir o Capitólio na quarta-feira (06/01) passada.

No domingo, a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, disse que entrará com um pedido nesta segunda-feira (11/01) para que Pence ative, em caráter de urgência, a 25ª emenda. O vice terá 24 horas de prazo para se posicionar. 

Quatro dias após os eventos no Capitólio, que deixaram cinco mortos e abalaram os Estados Unidos, Pelosi descreveu o presidente republicano como uma “ameaça iminente” contra a democracia e a Constituição norte-americana.

Ataque à democracia

“Prosseguiremos com a apresentação da legislação de impeachment” ao plenário da Câmara dos Representantes na segunda ou terça-feira (12/11), se Trump não for removido por seu gabinete”, disse Pelosi. “Com o passar dos dias, o horror do ataque contínuo à nossa democracia perpetrado por este presidente se intensifica e também a necessidade imediata de ação”, enfatizou. O projeto de lei já foi redigido e conta com o apoio de cerca de 200 deputados. Depois da votação na Câmara, o texto segue para o Senado, que só deve se reunir no dia 19, véspera da posse do presidente eleito, Joe Biden.

Trump já foi a julgamento uma vez na Câmara, controlada pelos democratas, em dezembro de 2019, por ter pressionado o líder da Ucrânia a investigar Biden, com o objetivo de prejudicar suas chances de disputar as eleições presidenciais de 2020. Mas acabou sendo absolvido pelo Senado, de maioria republicana.

A nove dias da posse de Biden, é pouco provável que o processo de impeachment vá até o fim, mas os democratas dispõem de votos suficientes na Câmara para aprovar um novo pedido de destituição e podem até contar com a adesão de alguns parlamentares republicanos para iniciar o procedimento. É improvável, porém, que reúnam a maioria de dois terços necessária para condenar Trump no Senado.

Com informações da RFI