racismo

Assassinato de homem negro por policial provoca revolta em Minneapolis

George Floy foi asfixiado por um policial, por 10 minutos, enquanto pedia socorro

REPRODUÇÃO/TWITTER
Sob o joelho do agente, George Floy dizia repetidas vezes que não conseguia respirar, até parar de reagir; policias foram demitidos

São Paulo – Pela segunda noite seguida, milhares de pessoas foram às ruas de Minneapolis (região norte dos Estados Unidos), nesta quarta-feira (27), para protestar pelo assassinato de George Floyd, morto por asfixia por um policial. Várias pessoas que presenciavam a cena gravaram e postaram a cena bárbara nas redes sociais.

O homem negro, de 46 anos – que tinha sido acusado de tentar passar um cheque sem fundos numa loja – foi sufocado por um policial branco, por pelo menos 10 minutos. Sob o joelho do agente, George dizia repetidas vezes que não conseguia respirar, até parar de reagir. Outros três policiais acompanhavam a abordagem e, mesmo com os apelos das pessoas em volta, não fizeram nada.

Desde a terça-feira (26), protestos pelo assassinato são registrados em outras cidades do país, como Los Angeles, onde manifestantes chegaram a atacar um carro da Patrulha Rodoviária da Califórnia. Medaria Arradondo, chefe da polícia local, demitiu os quatro homens envolvidos no assassinato e pediu investigação do FBI, o que pode implicar esses agentes a uma sentença por crime federal.

Indignação

O astro do time da NBA Los Angeles Lakers LeBron James usou suas redes sociais para denunciar mais um assassinato de um negro cometido pela polícia. O atleta postou uma foto com uma camiseta escrito “Não consigo respirar”, com a legenda. “Somos literalmente caçados todos os dias, todas as vezes que pisamos fora do conforto de nossas casas!”, tuitou.

Stephen Curry, outra estrela da liga de basquete profissional e jogador dos Golden State Warriors, também se disse revoltado com o caso. “George implorou por ajuda e foi ignorado, o que mostra bem que a sua vida negra não interessava. Ele foi assassinado. George não era humano para aquele policial que lentamente e propositadamente tirou a sua vida”, escreveu.

O movimento Black Lives Matter levantou a hashtag #JusticeForGeorgeFloyd, um dos assuntos mais comentados no mundo. “Muito trauma. Muito luto. Muitas hashtags. Curando essas feridas repetidas vezes. Parem de nos matar. Estamos com você, Minneapolis”, publicou o movimento.

As queixas de uso excessivo da força, especialmente contra a população negra, em Minneapolis são comuns. Um dos policiais envolvidos na morte de Floyd, Derek Chauvin, teve várias queixas apresentadas contra ele por suas abordagens violentas.