Reação

Parlamento do Iraque aprova pedido de retirada de tropas dos EUA

Premiê iraquiano considera que EUA envolvem país em conflito. Ação de Trump desagrada militares e Congresso norte-americano. Rússia e China também condenam

Euronews/Reprodução Youtube
Milhares de iranianos seguem cortejo de despedida de Qassem Soleimani e gritam contra EUA, Israel e Arábia Saudita

São Paulo – O parlamento iraquiano aprovou hoje (5) resolução pedindo ao governo que recuse a “assistência militar” dos Estados Unidos ao país. A decisão do legislativo pode significar a retirada das tropas norte-americanas do Iraque – num momento em que o governo de Donald Trump prepara o envio de mais de 3 mil soldados para o Oriente Médio. E um dia depois de Trump ter reagido com ameaças de bombardeios a dezenas de locais do Irã como resposta aos protestos do país pedindo vingança pelo assassinato do líder militar Qassem Soleimani, na sexta (3).

De acordo com o canal de notícias de televisão aberta da Arábia Saudita Al-Arabiya, o primeiro-ministro iraquiano Adil Abdul-Mahdi foi ao parlamento neste domingo para acompanhar a votação, em sessão extraordinária, da resolução que pede a saída dos militares norte-americanos do país, onde mantêm forte presença desde a invasão determinada por George W. Bush, em 2003. O premiê iraquiano considera que os Estados Unidos incluíram o país em seu conflito com o Irã.

Ontem (4), os ministros das Relações Exteriores da Rússia e da China mantiveram contatos do o chanceler do Irã para se solidarizar e pela morte de Soleimani. As duas potências condenaram a ação dos Estados Unidos, considerando-a ilegítima e com potencial de agravar seriamente a situação na região.

Neste domingo (5), o corpo de Qassem Soleimani chegou ao Irão e milhares de pessoas participam do cortejo de despedida. Carregam imagens do líder militar, cartazes com palavras de ordem contra os Estados Unidos e entoam gritos de revolta contra o governo norte-americano e seus aliados locais, como Israel e Arábia Saudita.

Além de causar forte reação no Irã e entre forças políticas da região, a decisão de Donald Trump de encomendar o assassinato de Qassem Soleimani não é uma unanimidade em seu país. Autoridades militares de alta patente têm revelado descontentamento com a manobra. O Congresso norte-americano foi excluído da decisão, num momento em o processo de de impeachment de Trump tramita na casa legislativa justamente por atropelos relacionados à geopolítica global (interferência em questões da Ucrânia).

Contrariedade nos EUA

Acompanhe o caso
• EUA já começaram a guerra, diz Irã
Assassinato de líder iraniano pelo EUA agravarão conflito na região
Como o Irã vai reagir?
Bolsonaro fica calado
Celso Amorim: Fato mais grave desde a crise do mísseis
Belluzzo: Crise trará efeito desagradável ao Brasil
O Irã é o Brasil da vez
Se guerra do Iraque foi desastre, com Irã será pior
Maringoni, no GGN: Pontos pouco claros no ataque imperial

De acordo com reportagem do The New York Times deste sábado (4), a morte do comandante da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã seria uma das ações militares desenhadas pelo Pentágono desde o início deste século – como forma de retaliação a operações comandadas por Soleimani que teriam causado a morte de centenas de soldados americanos.

A questão é que o Irã não promoveu invasão de espaço aéreo americano com aparatos de guerra nem violou acordos multilaterais que tentavam conter o belicismo que orbita o Oriente Médio. A estrutura militar norte-americana tem assistido a baixas soldados na região desde que o país decidiu fincar o pé no mundo árabe para defender suas ambições políticas, econômicas e militares.

Segundo depoimentos de autoridades do Pentágono ao NYT, embora estivesse na lista de possibilidades foi sempre apontada como operação de risco e consequências incalculáveis – daí o fato de todos os antecessores de Trump jamais terem levado a hipótese adiante.

Com a suposta ousadia, Trump dá mais uma demonstração de, a exemplo de seu colega-capitão brasileiro, não raciocinar como estadista. Pensa com o bolso do capital que representa, e age com o fígado – a despeito de despertar e estimular sentimentos fascistas que põem em xeque qualquer padrão de convivência civilizatória entre as diferenças que compõem a vida no globo.


Com informações de Sputnik, The New York Times e Euronews