Batalha midiática

Irã diz que versão de queda de avião por míssil é guerra psicológica

Governo do Irã lamenta guerra psicológica e nega possibilidade de míssil ter causado acidente. Ucrânia não descarta nem confirma versão e pede cautela em busca da verdade

Reprodução/Youtube
"É responsabilidade de toda a comunidade internacional dar respostas às famílias das vítimas", diz presidente da Ucrânia

São Paulo – O governo do Irã classificou como “guerra psicológica” contra o país os que relatos de que o Boeing 737 da Ukraine International Airlines que caiu anteontem em Teerã teria sido atingido por um míssil iraniano.

A suspeita foi difundida ontem (9) pela imprensa de diversos países de origem dos 176 passageiros mortos com a queda da aeronave ucraniana logo depois de ter decolado do aeroporto de Teerã.

“Temos informações de inteligência de múltiplas fontes, incluindo nossos aliados e nossa própria inteligência. Evidências indicam que o avião foi derrubado por um míssil terra-ar iraniano”, afirmou o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau. “Isso pode ter sido não intencional”, acrescentou. Pelo menos 63 pessoas que estavam na aeronave eram canadenses.

Acompanhe os fatos e análise do conflito

O jornal The New York Times chegou a postar vídeo do momento em que o avião estaria sendo atingido pelo suposto míssil.

“Se o avião tivesse sido atingido por um míssil, a área, na qual as suas peças estavam espalhadas, seria muito grande, mas todas as peças estavam no mesmo lugar”, disse o chefe da Organização da Aviação Civil (CAO) iraniana, Ali Abedzadeh.

O governo iraniano, Ali Rabiei, na quinta-feira (9), pede que os países que perderam cidadãos no acidente aéreo enviem representantes para se juntarem à investigação do incidente. “Todos os países dos cidadãos, que estavam a bordo do avião, podem enviar representantes e instamos a Boeing a enviar o seu representante para se juntar ao processo de investigação da caixa-preta”, diz comunicado do governo.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Abbas Mousavi, pediu ao primeiro-ministro Trudeau e a outros governos “que tenha informações sobre o acidente que as entreguem ao comitê investigativo no Irã”. As caixas-pretas do avião serão abertas hoje, segundo a agência de notícias oficial Irna.

Autoridades norte-americanas também levantaram suspeita de que o Boeing foi derrubado por um míssil antiaéreo iraniano. Hoje (10) a presidente ucraniano Volodymir Zelensky disse hoje essa possibilidade não estaria descartada, mas que não está confirmada.

“Nosso objetivo é estabelecer a verdade inegável”, disse em nota Zelensky. “Consideramos responsabilidade de toda a comunidade internacional dar respostas para as famílias das vítimas. O valor da vida humana é maior do que quaisquer motivos políticos.” Zelensky se refere à guerra midiática e de versões paralela ao conflito agravado desde o assassinato do comandante iraniano Qassem Soleimani, atingido por um míssil norte-americano disparado na madrugada do dia 3, horário local, por ordem de Donal Trump.