Tensão

Assassinato de líder do Irã pelos EUA deve agravar conflito na região

Morte do comandante Qassem Soleimani por ordem de Trump deve forçar reação iraniana e elevar clima de guerra ao nível mais grave dede a Guerra do Iraque

reprodução instagram
“É muito difícil não ver um conflito militar total entre Teerã e Washington”, diz especialista

São Paulo – A assassinato de Qassem Soleimani nesta sexta-feira (3), principal líder do setor de inteligência e das forças de segurança do Irã, forçará o país a uma reação política e militar sem precedentes desde o início da Guerra do Iraque, no começo dos anos 2000. Soleimani foi morto após ataque com drones ao aeroporto de Bagdá, no Iraque, ordenado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária do Irã morreu junto com sete integrantes de milícias iraquianas apoiadas pelo governo do Irã. O drone americano MQ-9 Reaper disparou mísseis contra um comboio que deixava o aeroporto.

• ‘Se a guerra contra o Iraque foi um desastre, com o Irã deve ser ainda pior’

Qual será a reação do Irã

Para Sanam Vakil, pesquisador do programa para Oriente Médio e Norte da África do instituto Chatham House de Londres, uma resposta iraniana à morte do general é inevitável. “Qassem Soleimani era um estrategista e general muito bem sucedido e desenvolveu a doutrina atual da política externa iraniana. Sua morte vai ser incrivelmente celebrada e lamentada ao mesmo tempo dentro do Irã. E vai ser quase impossível para a República Islâmica não responder ao seu assassinato”, afirmou o especialista ao jornal alemão Deutsche Welle.

Washington alega que Soleimani havia autorizado ataques contra a embaixada dos Estados Unidos no Iraque, que foi recentemente invadida por manifestantes, e também um ataque contra a base de Kirkuk, que matou um paramilitar norte-americano e deixou outros feridos.

Bolsonaro fica calado sobre ataque dos EUA ao Irã e comenta preço de petróleo

Segundo o Financial Times, Soleimani era considerado uma das 50 pessoas que marcaram a década. De acordo com a revista americana Foreign Policy, o assassinato de Soleimani irá aproximar os EUA e o Irã de um conflito direto. Os dois países vinham se confrontando de maneira indireta, em territórios de países terceiros, como Iraque, Síria e Líbano.

“Não tenho certeza se o governo americano pensou em algumas das consequências potenciais da sua ação ou se está preparado para proteger os seus militares das consequências deste conflito se o Iraque virar uma zona de guerra, com mísseis iranianos atacando bases americanas e mais perdas de vidas americanas”, disse Sanam Vakil. “É muito difícil não haver um conflito militar total entre Teerã e Washington.”

O chefe de Estado do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse que o assassinato do general Soleimani iria dobrar as motivações da resistência contra os Estados Unidos e que “uma retaliação severa espera aqueles que mataram Soleimani”.

O ministro iraniano das Relações Exteriores, Javad Zarif, classificou como “terrorismo internacional” a ação ordenado por Trump. “O ato de terrorismo internacional dos Estado Unidos, selecionando e assassinando o general Soleimani – a força mais eficaz no combate ao Daesh (Isis, o Estado Islâmico), Al Nusrah, Al Qaeda e outros – é extremamente perigoso e uma escalada insensata. Os EUA são responsáveis ​​por todas as consequências do seu aventureiro criminoso.”