Home Mundo Bogotá quebra tradição conservadora e elege prefeita lésbica e feminista
Colômbia

Bogotá quebra tradição conservadora e elege prefeita lésbica e feminista

Vitória de Claudia López abre nova página da história da Colômbia, país onde tradição é de governantes homens de elite conservadora e liberal
Publicado por Fabio M Michel, da RBA
11:32
Compartilhar:   
Reprodução-Arquivo pessoal/Twitter

Campanha de Claudia agradece eleitores de Bogotá pela vitória. No destaque, prefeita eleita beija a companheira, após confirmação do resultado. Vitória da diversidade

CartaCapital – A centro-esquerdista Claudia López, lésbica assumida e destaque da luta contra a corrupção na Colômbia, foi eleita neste domingo (27) prefeita de Bogotá. Na capital, López, de 49 anos, obteve 35,23% dos votos em uma disputa apertada com o liberal Carlos Fernando Galán (32,47%).

“Mudamos a história! (…) Ganhamos a Prefeitura Maior de Bogotá”, disse, após a eleição que fez dela a primeira lésbica eleita para comandar a prefeitura da capital colombiana. Com um beijo afetuoso em sua companheira, a senadora Angélica Lozano, López comemorou a vitória, enquanto um pequeno grupo de simpatizantes cantava “Claudia, prefeita de Bogotá”.

Leia também: Fernández e Cristina são eleitos na Argentina. Uruguai vai para o segundo turno

A cidade votou para que “desaprendamos o machismo, o racismo, o classismo, a homofobia e a xenofobia”, declarou López, debaixo de uma chuva de papel picado e sob aplausos de seus seguidores reunidos em um auditório privado.

A vitória de López abre uma nova página em um país onde historicamente governam homens das elites conservadora e liberal. Ela vai assumir o cargo em 1º de janeiro para comandar uma capital de 7,2 milhões de habitantes, sufocada por problemas de mobilidade e alta percepção de insegurança.

Conhecida por seu temperamento explosivo e sua disciplina, a prefeita eleita impulsionou sem sucesso, em 2018, uma consulta popular contra a corrupção na política. Como acadêmica, investigou o chamado fenômeno da parapolítica: a aliança de líderes públicos com sanguinários grupos de ultra-direita, o que a forçou a buscar o exílio.

Também é conhecida pela veemente oposição à direita que governa a Colômbia há pouco mais de um ano, com Iván Duque à frente.

“Ser mulher não é um defeito, ser uma mulher de caráter, firme (…) não é um defeito. Ser gay não é um defeito, ser filha de uma família humilde não é um defeito”, disse em entrevista à AFP na semana passada.

López foi eleita em um dos processos mais pacíficos em anos na Colômbia, apesar de alguns episódios de violência que marcaram sua campanha. “Foram as eleições regionais mais pacíficas dos últimos anos”, disse Juan Carlos Galindo, diretor do Registro Nacional, chefe do organismo encarregado de organizar as eleições.

Os colombianos – segundo Galindo – praticamente puderam votar em todos os postos habilitados nas primeiras eleições regionais organizadas desde o acordo de paz com a ex-guerrilha das Farc, em 2016.