Home Mundo Para ‘guru’ dos Bolsonaro, Papa Francisco é ‘inimigo’
Estrategista de Trump

Para ‘guru’ dos Bolsonaro, Papa Francisco é ‘inimigo’

O ideólogo de extrema direita Steve Bannon, aconselhou o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, a atacar o pontífice sobre a questão da migração
Publicado por Redação RBA
Compartilhar:   
Reprodução Twitter @matteosalvinimi
Salvini papa

Matteo Salvini, à direita, com camiseta contra o Papa Francisco em foto postada em seu perfil no Twitter

São Paulo –O ideólogo de extrema direita e ex-estrategista chefe do presidente dos EUA Donald Trump, Steve Bannon, aconselhou o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, a atacar o papa sobre a questão da migração. As informações são do The Guardian.

De acordo com a publicação, a declaração foi dada em uma reunião em Washington, em abril de 2016, e Bannon sugeriu que o líder do partido da Liga Anti-imigração da Itália deveria começar a confrontar abertamente o Papa Francisco, que tem na situação dos refugiados uma pedra angular do seu pontificado.

Um importante membro da Liga disse em uma entrevista ao site SourceMaterialque “Bannon aconselhou o próprio Salvini que o papa atual é uma espécie de inimigo. Ele sugeriu, com certeza, atacar frontalmente.” Após o encontro, Salvini passou a atacar o papa, justificando que os conservadores no Vaticano estavam do seu lado. Em maio de 2016, um tuíte seu dizia: “O papa diz que os migrantes não são um perigo. Seja como for!”, e em amio do mesmo ano, após o apelo do papa por compaixão para com os migrantes, declarou:“ A imigração descontrolada, uma invasão organizada e financiada, traz caos e problemas, não paz ”.

Na visita de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, Steve Bannon esteve no jantar oferecido pela embaixada brasileira em Washington. Durante a campanha presidencial de 2018, ele declarou apoio ao candidato do PSL e um dos filhos do presidente, Eduardo, já havia dito antes da declaração formal que Bannon ajudaria o pai em sua tentativa de chegar ao Planalto.

Tido como um dos responsáveis pelas fake news que impulsionaram a campanha de Donald Trump à presidência dos EUA, Bannon estava por trás da Cambridge Analytica, consultoria de dados acusada de ter interferido nas eleições do país, assim como no referendo do Brexit, no Reino Unido.