Home Mundo Governo mostra desarticulação sobre futura atuação do Brasil na Venezuela
Crise

Governo mostra desarticulação sobre futura atuação do Brasil na Venezuela

Em Davos, Bolsonaro admite temer processo de transição não pacífico entre Maduro e Guaidó, enquanto seu vice, Mourão, descarta possibilidade de intervenção do Brasil
Publicado por Redação RBA
14:40
Compartilhar:   
Valter Campanato/EBC
Bolsonaro e Mourão

Para Emir Sader mesmo com apoio de Bolsonaro não seria viável uma intervenção externa na Venezuela

São Paulo – O governo brasileiro parece contrastar sobre a posição que o Brasil deverá adotar em relação à situação política da Venezuela, que nesta quarta-feira (23) teve autodeclarado como presidente interino Juan Guaidó, opositor do presidente eleito Nicolás Maduro. Apesar de o  presidente Jair Bolsonaro (PSL) ter declarado reconhecer e dar apoio a Guaidó, o chefe do Executivo e o seu vice, Hamilton Mourão, não aparentam estar alinhados quanto à futura atuação brasileira.

Em entrevista à Rede Record, Bolsonaro afirmou prestar “muita atenção” à situação política da Venezuela e admitiu temer um “processo de transição não pacífico” entre Maduro e Guaidó. Enquanto que à imprensa, Mourão disse que o Brasil não participaria de uma intervenção militar caso o governo de Maduro reafirme sua continuidade. “Brasil só poderá protestar”, afirmou o general.

Na prática, para o cientista político e sociólogo Emir Sader, em entrevista ao jornalista Glauco Faria, da Rádio Brasil Atual, uma intervenção militar externa na Venezuela “não é viável pelo clima latino-americano e também pelo apoio que a Rússia dá ao governo do Maduro”.

Na análise do cientista político, a partir do apoio dos Estados Unidos, o que se tentará contra o mandato de Maduro é a quebra do apoio interno ao ex-presidente, que tem como base principalmente as Forças Armadas.

Ouça a análise na íntegra: