terror

Suspeito de Québec é descrito como ‘troll’ de direita e fã de Trump

Alexandre Bissonnette, suspeito de atentado terrorista contra mesquita no Canadá, atacava feministas na rede e também apoiava a francesa Marine Le Pen

protesto.jpeg

Cartaz pede solidariedade aos islâmicos. Seis pessoas foram mortas no Centro Cultural Islâmico do Québec, no último domingo (29)

CartaCapital – Alvo de bullying na infância, introvertido, socialmente esquisito, simpático a Marine Le Pen, a líder da extrema-direita da França, a Donald Trump, o presidente dos Estados Unidos, antifeminista e “troll” em fóruns online. Esse é o perfil inicial de Alexandre Bissonnette, 27 anos, único suspeito pelo atentado contra o Centro Cultural Islâmico do Québec, no domingo 29, que deixou seis mortos até aqui, todos eles homens, imigrantes e muçulmanos.

Bissonnette foi indiciado na segunda-feira 30 por seis homicídios de primeiro grau, além de tentativa de homicídio contra cinco pessoas. Ele foi visto brevemente no tribunal, algemado, com um macacão branco. Ele não fez declarações ou olhou para o público.

Até aqui, os investigadores canadenses não divulgaram um possível motivo para o ataque, mas os fatos parecem cristalinos. “Condenamos esse ataque terrorista contra muçulmanos em um centro de culto e refúgio”, afirmou Justin Trudeau, o primeiro-ministro do Canadá, logo após o atentado. “Muçulmanos canadenses são uma parte importante da nossa nação, e esses atos sem sentido não têm lugar nas nossas comunidades, cidades e país”, afirmou.

De acordo com a imprensa canadense, Bissonnette cresceu em Cap-Rouge, subúrbio da Cidade de Québec, e sofria bullying quando criança. Atualmente, ele morava em um apartamento a poucos quilômetros dali, próximo do campus da Universidade Laval, onde estudava Ciência Política.

Ao jornal The Globe and Mail, Vincent Boissoneault, estudante de Relações Internacionais na mesma universidade e amigo de infância de Bissonnette, afirmou que os dois frequentemente brigavam por conta de política quando Bissonnette criticava refugiados ou manifestava apoio a Le Pen e Trump.

“Eu o classificava como um xenófobo. Nem pensava nele como totalmente racista, mas ele estava fascinado por um movimento racista e nacionalista”, afirmou Boissoneault, em referência aos grupos linha-dura anti-imigração que crescem em especial na Europa. 

Ainda segundo o Globe and Mail, amigos de Bissonnette afirmaram que, apesar de estudar Ciência Política, ele pouco se interessava pelo assunto até março de 2016, quando Marine Le Pen, a líder da Frente Nacional e candidata à presidência da França, visitou Montreal, a maior cidade da província de Québec. 

Ao jornal La Presse, dois conhecidos de Bissonnette afirmaram que ele era um apoiador entusiasmado de Donald Trump. Éric Debroise conhecia o suspeito de terrorismo por meio de um amigo e conversava com ele pelo Facebook. “A última vez que ele me escreveu foi após a morte de [Fidel] Castro e eu não respondi”, disse Debroise. “Ele estava incomodado que a mídia que ele julgava ser de esquerda não dizia nada contra Castro, mas era muito vocal contra Trump”, afirmou.

Ainda segundo Debroise, no último mês Bissonnette estava isolado e deixou de se comunicar mesmo com seus amigos mais próximos. 

François Deschamps, conselheiro vocacional e responsável por uma página no Facebook que apoia refugiados, descreveu Bissonnette ao Globe and Mail como um “troll” de direita. “Não era ódio puro, mas parte de um novo movimento identitário nacionalista conservador que é mais intolerante do que odioso”, disse. “Ele era alguém que fazia comentários frequentes nas redes sociais rebaixando refugiados e feministas”. Ao La Presse, o mesmo Deschamps afirmou que Bissonnette classificava as feministas como “feminazi”. 

Ao mesmo jornal, um outro conhecido de Bissonnette, que não se identificou, mas com o qual ele teria trabalho por um breve período, afirmou que o estudante “nunca se referiu a violência como um veículo de ação política”.

De acordo com a procuradoria canadense, a próxima audiência de Bissonnette está marcada para 21 de fevereiro. No domingo, todos os mortos eram imigrantes muçulmanos. Um deles, Khaled Belkacemi, 60 anos e nascido na Argélia, era professor da Universidade Laval, a mesma em que o suspeito estudava.

As outras vítimas do atentado terrorista no Centro Cultural Islâmico do Québec são Azzeddine Soufiane, 57 anos, nascido no Marrocos, dono de uma mercearia e pai de três filhos; Abdelkrim Hassane, 41 anos, argelino e funcionário público especialista em tecnologia da informação e pai de três filhas; os primos Mamadou Tanou Barry, 42 anos, e Ibrahima Barry, 39 anos, ambos da República da Guiné e também funcionários públicos, sendo que o primeiro tinha dois filhos e o segundo, cinco; e Boubaker Thabti, 44 anos, assistente de farmácia, pais de dois filhos.

Leia também

Últimas notícias