Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2016 / 08 / Bases militares dos EUA na América Latina apontam para risco de recolonização

subordinação

Bases militares dos EUA na América Latina apontam para risco de recolonização

Sociólogo Emir Sader ressalta esforços negociados pelos EUA com o governo interino para marcar presença também em território brasileiro
por Redação RBA publicado 16/08/2016 11h53
Sociólogo Emir Sader ressalta esforços negociados pelos EUA com o governo interino para marcar presença também em território brasileiro
Sgt Johnson/Agência Força Aérea/Divulgação
base alcântara

Além do avanço na Argentina, norte-americanos negociam com Serra presença na base de Alcântara

São Paulo – O cientista político e sociólogo Emir Sader comenta declaração do teólogo Leonardo Boff alertando para ofensiva militar norte-americana na América Latina ao negociar com o governo argentino a instalação de duas base em seu território, o que representaria tentativa de "recolonização" de todo o continente.

"Assusta-nos muito que os Estados Unidos negociem com Mauricio Macri (presidente da Argentina) duas bases militares, uma na Patagônia e outra na fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina, perto do maior aquífero do mundo", declarou Boff ao jornal argentino Página/12, ontem (15).

Para Boff, "há um projeto para recolonizar a América Latina e fazer dela uma zona de exportação de commodities sem produtos de valor agregado."

Emir aponta que a América Latina é das poucas regiões do mundo que não contam com a presença militar norte-americana, mas que a situação pode mudar não só com Macri mas também com o governo Michel Temer, caso o golpe do impeachment seja consumado.

"Boff está escandalizado de que se retome essa política de entrega de territórios latino-americanos para bases militares dos Estados Unidos. Pode ser que isso venha a ocorrer no Brasil também se se consolidar o governo golpista", afirmou o sociólogo, em comentário hoje à Rádio Brasil Atual.

Ele ressalta que José Serra, ministro das Relações Exteriores do governo interino, já aventou hipótese de renegociar o acesso à base militar de Alcântara, no Maranhão, mas encontra entrave na presença chinesa, que tem acordo de cooperação do governo brasileiro para utilização da base para o lançamento de foguetes.

Ouça: