Venezuela

Unasul indica ‘disposição’ de Maduro para dialogar com oposição

Entidade diz registrar positivamente a disposição do presidente venezuelano em retomar 'a agenda de trabalho e os encontros que contribuam para alimentar um clima de paz e tranquilidade no país'

memória/ebc
madurão.jpg

Maduro diz que condicionantes da oposição são ‘destemperadas e desrespeitosas’

Opera Mundi – A Unasul (União de Nações Sul-Americanas) indicou ontem (10) a “disposição” do governo de Nicolás Maduro em estabelecer um diálogo com os setores de oposição do país.

Em um comunicado, a entidade diz registrar “de forma positiva a disposição do presidente Nicolás Maduro e de seus representantes designados para que retorne a agenda de trabalho e os encontros que contribuam para alimentar um clima de paz e tranquilidade” no país.

A entidade faz referência à posição do governo venezuelano em relação à MUD (Mesa da Unidade Democrática), que reúne partidos opositores.

Representantes dos dois lados participam, desde o fim de maio, de reuniões de mediação promovidas pela Unasul para tentar colocar fim à crise política na Venezuela.

Na sexta-feira (8), a MUD divulgou, em sua página de internet, um comunicado em que lista “requisitos” para atender aos diálogos.  Dentre as condicionantes estão a incorporação de mais atores às negociações, como representantes do Vaticano, a mudança do local das reuniões – que hoje ocorrem na República Dominicana, sem especificar qual seria esse novo local –, e o estabelecimento de um cronograma público para as negociações.

No dia seguinte, em nota, o governo de Maduro saudou a declaração da MUD, mas lamentou a divulgação das condicionantes, consideradas “destemperadas e desrespeitosas”.

“Fazemos votos para que esta interlocução transcorra sem condicionamentos de nenhum tipo e no espírito de preservar a paz da nação, o respeito às instituições e poderes democráticos consagrados na Constituição da República Bolivariana da Venezuela”, diz a nota do governo.

De acordo com a Unasul, “nesse contexto, se reafirma a firme vontade de apoiar a Venezuela para estabelecer um diálogo nacional na busca do bem-estar de todos os cidadãos”.

Os encontros de mediação são liderados pelo secretário-geral da entidade, Ernesto Samper, e pelos ex-presidentes do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero e ex-mandatários Leonel Fernández e Martín Torrijos, da República Dominicana e Panamá, respectivamente.

No domingo, Samper disse confiar na retomada das negociações de diálogo entre o governo e a oposição na Venezuela a partir desta semana.

“Temos a boa notícia que já parece abrir-se o caminho de uma nova data para que as partes se sentem a partir de 12, 13 de julho”, disse Samper à Agência Efe após o encerramento do Fórum Social Mundial das Migrações em São Paulo.

Segundo ele, “a agenda que se está propondo para este diálogo parece irrefutável do ponto de vista do que se necessita na Venezuela”.