Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2015 / 07 / Syriza aceita proposta de Tsipras e fará conselho interno em setembro

crise grega

Syriza aceita proposta de Tsipras e fará conselho interno em setembro

FMI anunciou que não vai participar do financiamento do novo pacote de reforma do estado grego antes que haja um acordo concreto entre o país e credores
por Redação RBA publicado 31/07/2015 12h47
FMI anunciou que não vai participar do financiamento do novo pacote de reforma do estado grego antes que haja um acordo concreto entre o país e credores
Divulgação/União Europeia
reuniao_euro_grecia_13072015_13 (1).jpg

Aléxis Tsipras: o Syriza está divido, então, primeiro-ministro precisa ganhar tempo, diz comentarista da 'RBA'

São Paulo – O conselho do partido que apoia o governo, o Syriza, aceitou a proposta do primeiro-ministro da Grécia, Aléxis Tsípras, de realizar um congresso interno em setembro. Para o correspondente internacional da Rede Brasil Atual Flávio Aguiar, isso ajudará o líder grego a ganhar tempo. “O Syriza está dividido, então, ele se colocou em uma encruzilhada: ou ele chamaria um novo referendo sobre as medidas ou um congresso do partido, em setembro. O fato é que ganhar tempo para o governo de Tsipras é fundamental, ele tem necessidade disso, porque se fosse realizado um plebiscito e Tsipras perdesse, ele teria de convocar novas eleições.”

Aguiar afirma que os partidos de oposição estão sendo fundamentais para o primeiro-ministro passar algumas determinações do pacote de reformas do estado grego, que está sendo exigido pelos credores internacionais. A Grécia pede um financiamento de € 86 bilhões para aliviar as dívidas.

Entretanto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou que não irá participar do financiamento do pacote, alegando determinações estatutárias que não permitem que se realize empréstimo em situação de risco. “O FMI disse que não vai entrar com nova contribuição nesse pacote caso não haja um acordo concreto e definitivo entre os credores e o governo grego. É uma forma de pressionar os dois lados para chegarem a um acordo.”

Ouça o comentário de Flávio Aguiar na Rádio Brasil Atual:

registrado em: , , , ,