Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2015 / 01 / Cristina diz estar 'convencida' de que morte de promotor não foi suicídio

Argentina

Cristina diz estar 'convencida' de que morte de promotor não foi suicídio

Para presidenta, Alberto Nisman se baseou em 'pistas falsas' para acusá-la e a morte dele é uma 'operação contra o governo'
por Opera Mundi publicado 22/01/2015 14h12
Para presidenta, Alberto Nisman se baseou em 'pistas falsas' para acusá-la e a morte dele é uma 'operação contra o governo'
Agência Télam
Cristina Kirchner

Presidenta cita argumentos que 'derrubam como castelo de cartas' o que fora apresentado como 'denúncia do século'

São Paulo – O fiscal, que denunciou um suposto encobrimento, por parte da presidenta e de altos funcionários do governo, do atentado terrorista realizado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), há 21 anos, foi encontrado morto no domingo (18), com um tiro na cabeça, um dia antes de comparecer ao Congresso para dar detalhes sobre a denúncia.

“A denúncia de Nisman nunca foi em si mesma a verdadeira operação contra o governo. Nisman não sabia e provavelmente nunca soube. A verdadeira operação contra o governo foi a morte do promotor depois de acusar a presidenta, seu chanceler e o secretário-geral do La Cámpora (grupo político da presidenta) de encobrirem os iranianos acusados pelo atentado terrorista”, afirmou.

A mandatária menciona alguns artigos publicados pela imprensa argentina, entre eles a análise de Raúl Kollmann, publicado pelo jornal Página/12 que, segundo ela, derruba como um “castelo de cartas” o que fora apresentado como “denúncia do século”.

Após relembrar casos de supostos suicídios e que seguem sem esclarecimentos adequados, Kirchner acrescenta que “o usaram vivo e depois precisaram dele morto” e pontua uma série de questionamentos ao caso da morte de Nisman. “Por que iria se suicidar se não sabia que era falsa a informação que tinha? Porque iria se suicidar alguém que sendo fiscal gozava, ele e sua família, de uma excelente qualidade de vida? Por que foi autorizado o acesso à casa de Nisman a um médico privado de uma obra social antes de informar o juiz, os superiores, os forenses?”.

“Hoje não tenho provas, mas tampouco tenho dúvidas”, disse Kirchner, para quem o caso foi trazido à tona para aproveitar a comoção mundial decorrente do atentado terrorista na França.

Entenda o caso

O atentado à AMIA, em 1994, foi o maior ato terrorista já realizado na Argentina, matando 85 pessoas.

Em 2006, uma decisão da Justiça argentina considerou o governo iraniano culpado de ter planejado o atentado, que teria sido executado pelo grupo libanês Hezbollah, com ajuda do Irã, que nega as acusações.

A pedido da Argentina, a Interpol determinou ordem de captura de cinco cidadãos iranianos e um libanês. Na lista dos acusados, estão iranianos que ocupavam altos postos no governo do então presidente Akbar Hashemi Rafsanjani (1989-1997) – entre eles, o ex-ministro da Defesa Ahmad Vahidi e o próprio Rafsanjani.