Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2014 / 07 / Obama vê justificativas em avanço militar de Israel sobre Gaza

tragédia humana

Obama vê justificativas em avanço militar de Israel sobre Gaza

Presidente dos Estados Unidos defende argumentos para ataques contra população e diz esperar que operações 'minimizem o número de vítimas civis'
por Redação da RBA publicado 18/07/2014 15h56, última modificação 18/07/2014 17h15
Presidente dos Estados Unidos defende argumentos para ataques contra população e diz esperar que operações 'minimizem o número de vítimas civis'
EFE/Alaa Badarneh
635413095275078230w.jpg

Armas contra pedras. Obama apoia investida de Israel sobre Faixa de Gaza, apesar da desproporção de forças

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu hoje (18) o "direito de Israel a se defender" com sua incursão terrestre na Faixa de Gaza, mas pediu a seu aliado "para atuar de modo que minimize o número de vítimas civis" nesse território palestino.

"Acreditamos que Israel continua realizando este processo de forma a minimizar as vítimas civis, e todos nós estamos trabalhando duro para voltar ao cessar-fogo de novembro de 2012", ressaltou Obama.

O exército de Israel iniciou ontem sua segunda incursão terrestre em Gaza desde 2007, quando o Hamas conquistou o domínio político e militar do território. A incursão – parte da grande ofensiva lançada em 8 de julho contra Gaza – já deixou pelo menos 270 palestinos mortos, a maioria civis, incluídas 63 crianças.

O presidente disse que havia conversado com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e lhe ofereceu a possibilidade de enviar à região seu secretário de Estado, John Kerry, para avançar rumo a um cessar-fogo.

"Reafirmei meu apoio ao direito de Israel a se defender. Nenhuma nação deveria aceitar que disparem foguetes dentro de suas fronteiras ou que terroristas entrem por túneis em seu território. De fato, enquanto eu falava com o primeiro-ministro Netanyahu, as sirenes tocaram em Tel Aviv", acrescentou.

Obama afirmou ainda que tanto os EUA como seus aliados estão "profundamente preocupados com os riscos de uma maior escalada e a perda de mais vidas inocentes".

Ataques

Enquanto Obama explicava razões para a incursão por terra de Israel sobre a Faixa de Gaza, a artilharia israelense começou a bombardear intensamente na noite (horário local) desta sexta, a partir de posições de combate a poucos quilômetros da fronteira do território ocupado.

A artilharia lançou dezenas de fogos de artifíci, para iluminar o bairro de Zaitum, que Israel afirma ser um dos redutos do movimento islâmico Hamas e do grupo radical palestino Jihad Islâmica. Em seguida, unidades de artilharia e aviões de combate empregaram mísseis contra o empobrecido bairro, um dos mais castigados pelo conflito na cidade de Gaza.

Com reportagens da Agência Efe.