Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2013 / 11 / Argentina encontra arquivos secretos da ditadura com 'lista negra de artistas'

força armada

Argentina encontra arquivos secretos da ditadura com 'lista negra de artistas'

Entre os citados, a cantora Mercedes Sosa, que foi considerada 'perigosa para o regime'; documentos também mostram famílias à procura de filhos desaparecidos
por Opera Mundi publicado 05/11/2013 14h15
Entre os citados, a cantora Mercedes Sosa, que foi considerada 'perigosa para o regime'; documentos também mostram famílias à procura de filhos desaparecidos
rededemocratica.org
ditaduraargentina.jpg

Ato público na Argentina pede investigação de crimes de Estado no país, que deixou milhares de desaparecidos

São Paulo – A Argentina divulgou nesta segunda-feira (05/11) que foram encontrados arquivos secretos da ditadura militar no país (1976-1983). Chamada de "lista negra", os documentos apontam artistas e personalidades da sociedade argentina como "perigosos ao regime".

Julio Cortázar, Héctor Alterio e Mercedes Sosa – uma das cantoras mais influentes do século 20 para o continente – foram vigiados pelo governo. No total, são 1.500 documentos inéditos, 280 deles com as transcrições de gravações das reuniões da Junta Militar que governou o país entre 1976 e 1983.

O ministro da Defesa, Agustín Rossi, afirma que a documentação foi encontrada na semana passada acidentalmente durante a limpeza do edifício Condor, em Buenos Aires, onde funcionam dependências da Força Aérea argentina. "Encontramos seis pastas originais das atas da junta militar, datadas de 24 de março de 1976 até 10 de dezembro de 1983. São todas as atas secretas da junta militar", disse Rossi.

Segundo informações da Agência Efe, o ministro detalhou que os documentos estavam agrupados em 1.500 pastas para guardar papéis dentro de duas caixas fortes e dois armários. Rossi destacou que é a primeira vez que se tem acesso a material deste tipo, que informa desde o dia do golpe militar até o dia em que a Argentina retornou à democracia, há trinta anos.

Entre os documentos estão todas as atas secretas das juntas militares, um total de 280 originais nos quais os generais explanam suas posições sobre diferentes assuntos. O ministro ressaltou que a documentação conta com a "vantagem" de estar "ordenada, classificada e até ter um índice temático".

Também foram encontrados três livros de recepção, onde estavam as comunicações para as forças militares, como pedidos de famílias que queriam saber do paradeiro de seus filhos desaparecidos.