Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2012 / 11 / Obama condiciona reforma fiscal a aumento de impostos para ricos

Obama condiciona reforma fiscal a aumento de impostos para ricos

por Mark Felsenthal e David Lawder, da Reuters publicado , última modificação 10/11/2012 09h34

Obama demonstrou se sentir fortalecido pela reeleição para buscar as reformas que não fez no primeiro mandato (Foto: Jason Reed. Arquivo Reuters)

Nova York – O presidente reeleito dos Estados Unidos, Barack Obama, ofereceu-se para negociar com republicanos a fim de combater um iminente abismo fiscal no país, mas insistiu que um aumento de impostos para os mais ricos precisa fazer parte do acordo. Ele lembrou que seu enfoque para o conjunto de elevações tributárias e cortes de gastos automáticos que passam a valer em janeiro conquistou o apoio de norte-americanos nas urnas.

Obama fez a declaração horas após o presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner, reforçar o comprometimento de seu partido em não elevar os impostos de qualquer um como parte de um acordo para lidar com o abismo fiscal.

Em seu primeiro evento na Casa Branca desde que saiu vitorioso na disputa presidencial contra o republicano Mitt Romney na terça-feira, Obama pediu ontem (9) que o Congresso trabalhe com ele para a elaboração de um plano, convidando ainda líderes parlamentares para uma reunião na próxima semana. "Não estou preso a todos os detalhes do meu plano. Estou aberto a acordos. Estou aberto a novas ideias", disse.

O abismo fiscal é o desafio mais urgente de Obama após a conquista de seu segundo mandato. Com o objetivo de reduzir o déficit orçamentário federal, as medidas planejadas podem retirar US$ 600 bilhões da economia e prejudicar gravemente o crescimento econômico norte-americano. Embora tenha adotado um tom conciliatório em relação à maioria republicana da Câmara, Obama disse que eleitores apoiam suas ideias, incluindo o aumento de impostos para os mais ricos.

"Eu só gostaria de dizer que isso foi uma questão central durante as eleições. Foi debatido inúmeras vezes. E na noite da terça-feira descobrimos que a maioria dos norte-americanos concorda com minha postura", completou.

Mais cedo, o republicano John Boehner fez um apelo para que Obama tivesse um papel mais ativo ao lidar com esses problemas e assumisse a liderança nas negociações. "Essa é uma oportunidade de liderança para os presidentes. Esse é o momento dele de engajar o Congresso e trabalhar por uma solução que possa ser aprovada por ambas as Casas", disse Boehner em coletiva de imprensa.

Embora discordem a respeito das medidas imediatas para se evitar o abismo fiscal, Obama e os republicanos podem encontrar um denominador comum em pedidos pela implementação de um pacote amplo de medidas de redução de déficit ao longo dos próximos seis meses, incluindo uma reformulação da legislação tributária dos EUA.

O Comitê Orçamentário do Congresso, que tem composição apartidária, reiterou na quinta-feira que, caso autoridades não consigam lidar com o abrupto arrocho fiscal, este acabará derrubando a economia de volta a uma recessão, levando ainda a taxas de desemprego maiores que a atual, que é de 7,9%.