Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2012 / 10 / Uma semana após reeleição de Chávez, Venezuela se prepara para nova disputa eleitoral

Uma semana após reeleição de Chávez, Venezuela se prepara para nova disputa eleitoral

Poucos dias após a eleição do presidente para um terceiro mandato, os partidos apresentaram seu candidatos
por João Peres, da RBA publicado , última modificação 15/10/2012 09h29
Poucos dias após a eleição do presidente para um terceiro mandato, os partidos apresentaram seu candidatos

Caracas – Passada uma semana da eleição presidencial, a Venezuela se concentra agora na escolha dos próximos governadores do país. E a campanha promete repetir o clima da disputa nacional. No mesmo dia em que Hugo Chávez era proclamado novamente presidente pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), a direção do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) já anunciava seus candidatos, assim como a coligação opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Além dos governos, serão eleitos conselheiros regionais, uma espécie de deputado estadual. As inscrições dos candidatos, realizadas na última sexta-feira (12), na realidade, já se transformaram em atos eleitorais, apesar de a campanha começar apenas em 1º de novembro. O partido de Chávez indicou candidatos em todos os 23 estados do país, embora em vários lugares partidos aliados desejassem de correr em raia paralela ao PSUV.

Dos 8,1 milhões de votos conquistados nessas eleições, mais de seis milhões foram para o PSUV. Em segundo lugar, ficou o Partido Comunista da Venezuela (PCV), com 486.503 votos e em terceiro o PPT, com 218.803. Os demais partidos arrebanharam de 43 mil a 200 mil votos.

Para cumprir a tarefa de vencer na maioria dos estados, o governo designou três ministros, o atual vice-presidente da República e o vice-presidente da Assembleia Nacional. Diosdado Cabello, vice-presidente do PSUV, pediu que as legendas aliadas apoiem as candidaturas do seu partido. “Espero que estes sejam os candidatos de todos”, disse.

Para o estado de Miranda, onde fica a Grande Caracas, o chavismo designou ninguém menos que o atual vice-presidente da República, Elias Jaua. O atual governador e candidato a presidente derrotado, Henrique Capriles, formalizou sua inscrição ante o CNE para concorrer a reeleição, em uma batalha que promete ser tão dura quanto a presidencial.

"Os mirandinos não sabem o que é ser governado pela obscuridade. Eles (chavistas) vão utilizar a máquina estatal para tratar de nos vencer em 16 de dezembro", afirmou Capriles depois de sua inscrição, comprovando que a “trégua” entre governo e oposição, sugerida após a eleição presidencial, pode não durar muito. "Capriles não terá o governo de Miranda como prêmio de consolação", rebateu Jaua.

Além de Capriles, outros seis governadores da oposição tentarão ser reeleitos em 16 de dezembro. César Perez, em Táchira; Pablo Pérez, Zulia; Liborio Guarulla, Amazonas; Enrique Salas Feo, Carabobo; Henry Falcón, Lara; Morel Rodríguez em Nova Esparta e José Briceños em Monagas.

No governo, a mão direita de Chávez e ministra do Despacho da Presidência, Erika Farias, segue para concorrer em Cojedes. O ministro do Interior Tarek El Aissami disputa o governo de Aragua e sua colega para os Povos Indígenas, Nicea Maldonado, o Amazonas. O vice-presidente da Assembleia Nacional e ex-prefeito de Caracas, Aristóbulo Istúriz, concorre em Anzoátegui.

O professor universitário e articulista do site Aporrea Rafael Rodríguez Vergara questionou algumas escolhas do PSUV, como por exemplo, o Estado de Bolívar, onde o candidato é Rangel Gómez, mal avaliado pela população. “Foi uma má gestão, uma má decisão e uma má política”, escreveu. Para ele, gestões como a de Wilmar Costro em Portuguesa, de Yelitza Santella no Delta Amacuro e de García Carneiro em Vargas, devem ser tomadas como exemplo exitoso do chavismo para essas eleições.

Partidos da oposição

Apesar de algumas inquietações no seio da MUD pelo reconhecimento imediato do resultado da eleição – certos setores gritaram fraude –, a oposição aparenta tranquilidade com a lista de candidatos, já que a maioria deles foi escolhida no processo de primárias no início do ano.

Delsa Solorzano, deputada do Parlamentino e dirigente do Partido Un Nuevo Tiempo (UNT), segundo maior força política da MUD, afirmou ao Opera Mundi que as legendas continuarão unidas e que têm chances de vitórias eleitorais na maioria dos estados.  “As pessoas votaram por ideologia. Nós esclarecemos para nosso eleitor nossa posição política e nossas ideias e ganhamos votos”, disse. A deputada localiza seu partido com centro-esquerda e social democrata.

Fundado há cinco anos, o UNT tem o governador de um dos principais estados venezuelanos, Zulia. Pablo Peréz foi candidato nas primárias para a Presidência na MUD. Agora para governador, o UNT terá dois candidatos. Além de Peréz, concorre em Vargas o jovem médico José Manuel Olivares contra o atual governador do PSUV Jorge Luis García Carneiro.

A deputada também fez críticas ao partido de Chávez, dizendo que não houve “solidariedade” com os aliados. “Com algumas exceções, todos os candidatos são do PSUV”, disse. Delsa afirma que Capriles não fez campanha pensando em seu próprio partido, o Primeiro Justiça, mas sim para todos. Parlamentar pela jurisdição do município de Hatillo, ela conta que fará campanha para a reeleição de Capriles em Miranda.

PSUV

“A Venezuela passou nesses últimos 14 anos por 15 processos eleitorais, o que acabou fazendo com que o partido se transformasse em uma imensa máquina eleitoral. Isso é algo que queremos transcender, porque o partido deve ser um instrumento da luta do povo”, falou ao Opera Mundi Blanca Eckhout , deputada do PSUV e vice-presidenta da Assembleia Nacional.

Eckhout reage bem ao fato de partidos da base aliada e oposicionistas criticarem a principal legenda chavista. “Nós mesmos temos críticas ao PSUV”. O secretário geral do MEP (Movimento Eleitoral do Povo), Wilmer Nolasco, chegou a afirmar que seu movimento é um “muro de contenção da militância que está se desiludindo com o PSUV", referindo-se a burocracia partidária.

A deputada ressalta que o modelo partidário da Venezuela permanece culturalmente ligado a “velha política”. Para ela, o PSUV precisa fortalecer sua aliança com os movimentos sociais e partidos aliados. “Somos um partido de massa, jovem e em construção, com gente de experiências distintas e com mais de sete milhões de militantes”, disse.

Para Eckhout, é preciso levar em conta os acontecimentos nos últimos 14 anos, como o golpe de 2002, a greve petroleira, as campanhas de “satanização” da Venezuela internacionalmente e as “intervenções estrangeiras”. “Isso faz com que a estrutura do partido seja uma plataforma para as eleições, mas tem que ser um instrumento de luta organizada. Queremos democracia protagônica, participativa”, afirmou.