Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2011 / 12 / Acidente nuclear no Japão foi agravado por despreparo de empresa operadora da usina

Acidente nuclear no Japão foi agravado por despreparo de empresa operadora da usina

Segundo relatório preliminar de comitê designado a investigar o caso, falta de técnicos capacitados ainda atrapalhou avaliação correta do estrago
por anselmomassad publicado , última modificação 26/12/2011 16h07
Segundo relatório preliminar de comitê designado a investigar o caso, falta de técnicos capacitados ainda atrapalhou avaliação correta do estrago

São Paulo – O acidente na usina nuclear de Fukushima, no Japão, em março deste ano, foi agravado pela falta de preparo e demora na comunicação a autoridades por parte da empresa que operava a planta. A conclusão, que faz parte de relatório preliminar do Comitê para o Acidente na Usina Nuclear de Fukushima da Tokyo Electric Power, organismo governamental criado unicamente para o caso, foi divulgada nesta segunda-feira (26). Além da Tepco, a agência reguladora do setor também é alvo de críticas no relatório.

Faltaram ainda técnicos preparados para avaliar adequadamente os estragos, segundo o relatório. Ainda de acordo com os técnicos, a empresa cometeu erros ao analisar os danos. O comitê possui 12 integrantes, entre sismologistas, ex-diplomatas e juízes, e é coordenada por Yotaro Hatamura, professor de engenharia especializado na análise de falhas operacionais em diferentes setores. O laudo definitivo tem previsão de ser terminado em meados de 2012.

A usina foi atingida por um maremoto provocado por um intenso tremor de terras no dia 11 de março. A onda de 15 metros de altura destruiu os sistemas de refrigeração, necessários para evitar a fusão (derretimento) do material nuclear. Foi a maior tragédia nuclear desde as explosões de Chernobyl, na Ucrânia, em abril de 1986.

Dois testes anteriores à tragédia – um realizado há três anos e outro dois meses antes do episódio – promovidos pela Tepco chegaram a simular os efeitos de um tsunami como o que ocorreu. Embora tenham verificado a possibilidade de estrago, não foram tomadas medidas preventivas por considerar que uma onda desse tamanho seria muito improvável.

"O órgão regulador nuclear do governo não solicitou à Tepco que tomasse medidas específicas, como uma construção adicional, depois de ter recebido os resultados de uma simulação da Tepco em 2008 e no começo de 2011 a respeito do impacto dos tsunamis sobre suas instalações", informa relatório preliminar da comissão.

O centro de gerenciamento de crises do governo japonês teria omitido informações sobre a gravidade da situação a escalões superiores. Por causa disso, segundo a comissão, medidas para dispersar a radioatividade demoraram mais para serem acionadas.

No dia 16 de dezembro, o governo anunciou que o trabalho de descontaminação havia conseguido avançar a ponto de permitir o estado de desligamento a frio. A etapa era considerada pré-requisito para o retorno dos 80 mil moradores retirados de casas a um raio de 20 quilômetros da usina. Pesquisas divulgadas na semana seguinte indicam que 78% dos japoneses desconfiam da decisão, temendo precipitação na análise.

Com informações da Reuters