Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2011 / 11 / Europa enfrenta pior crise desde a Segunda Guerra, diz Merkel

Europa enfrenta pior crise desde a Segunda Guerra, diz Merkel

Chanceler da Alemanha teme que o continente fracasse se o euro falhar
por Philip Pullella e Harry Papachristou publicado 14/11/2011 13h37, última modificação 14/11/2011 13h43
Chanceler da Alemanha teme que o continente fracasse se o euro falhar

Roma/Atenas - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse nesta segunda-feira (14) que a Europa pode estar vivendo o momento mais difícil desde a Segunda Guerra Mundial, enquanto os novos líderes de Grécia e Itália corriam para formar governos e limitar os danos da crise de dívida da zona do euro.

"A Europa está em um dos mais difíceis, talvez o mais difícil momento desde a Segunda Guerra Mundial", declarou Merkel ao seu partido conservador em Leipzig. Ela disse temer que o continente fracasse se o euro falhar e prometeu fazer de tudo para impedir que isso aconteça.

Mas no discurso de uma hora feito aos colegas da União Democrata-Cristã (CDU), Merkel não ofereceu novas ideias para resolver a crise, que obrigou Grécia, Irlanda e Portugal a pedir ajuda externa, gerando preocupação sobre a sobrevivência da união monetária de 17 nações.

"Se o euro fracassar, então a Europa fracassa, e nós queremos impedir e nós iremos impedir isso. Isso é no que estamos trabalhando, porque é um projeto histórico enorme", disse Merkel.

No drama de Roma, o presidente italiano pediu que o ex-comissário europeu e novo premiê do país, Mario Monti, forme um novo governo para restaurar a confiança do mercado na economia, cuja dívida é grande demais para o bloco do euro resgatar.

Enquanto isso, os mercados financeiros mostravam alívio cauteloso com um leilão de bônus do país, que atraiu boa demanda dos investidores. Foram vendidos 3 bilhões de euros em títulos de cinco anos, mas os juros bateram recorde, atingindo 6,29%. Diante da alta dos rendimentos, o Banco Central Europeu (BCE) começou a comprar bônus do governo italiano logo após o leilão.

As nomeações de Monti e de um novo primeiro-ministro na Grécia, Lucas Papademos, foram recebidas com otimismo pelos mercados, mas era difícil apagar uma insegurança tão enraizada.

OBSTÁCULOS DE PAPADEMOS

 

O premiê Silvio Berlusconi fez um discurso de despedida no domingo (13), pedindo que o BCE torne-se um banco de último recurso para ajudar o euro. "Isso se tornou uma crise para nossa moeda comum, o euro, que não tem o apoio que toda moeda deveria ter", afirmou em uma mensagem por vídeo.

Embora os problemas da Itália e a saída de Berlusconi tenham mandado para segundo plano a Grécia, que tem uma economia bem menor, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e os líderes europeus manterão Papademos sob pressão para implementar reformas radicais.

Pesquisas de opinião mostram que o premiê tecnocrata tem apoio de três em cada quatro gregos. Mas ele enfrentava seu primeiro protesto nesta segunda-feira, com manifestantes acusando o novo governo de trabalhar de acordo com os interesses dos banqueiros.

Inspetores do FMI, do BCE e da União Europeia começam a chegar a Atenas nesta segunda-feira, aumentando a pressão para a Grécia qualificar-se para um segundo programa de resgate, no valor de 130 bilhões de euros, e para uma parcela de empréstimos de 8 bilhões de euros do resgate anterior.

© Thomson Reuters 2011 All rights reserved.