Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2010 / 12 / Buenos Aires tem centro de saúde com modelo parecido ao das UPAs do Rio

Buenos Aires tem centro de saúde com modelo parecido ao das UPAs do Rio

por Luiz Antônio Alves, Agência Brasil publicado 04/12/2010 11h24, última modificação 04/12/2010 11h25

Buenos Aires - O modelo de saúde pública adotado no Rio de Janeiro começou a ser implantado na Grande Buenos Aires esta semana, quando a presidente Cristina Kirchner inaugurou uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no bairro de Villa Fiorito, município de Lomas de Zamora, na quinta-feira (2).

O centro foi construído no bairro onde o jogador Diego Maradona passou a infância e a juventude e tem as mesmas características de atenção à saúde básica das Unidades de Pronto Atendimento 24 Horas (UPAs) já instaladas no Rio de Janeiro. A UPA de Villa Fiorito – que prestará atenderá 400 mil pessoas da região e de áreas vizinhas – é integrada por médicos, enfermeiros e pessoal administrativo, além de especialistas em atendimento emergencial de saúde e ambulâncias.

O governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral compareceu à cerimônia de inauguração a convite de Daniel Scioli, governador da província (estado) de Buenos Aires. Cabral e Scioli já se conhecem desde que o governador fluminense esteve na capital argentina para participar da posse de Scioli como vice-presidente no governo Néstor Kirchner, em 2003.

Desde então, os dois governadores têm mantido frequentes contatos para a troca de ideias e experiências. “Eu e o Daniel temos a mesma filosofia”, disse Cabral. “Não temos tempo a perder e, por isso, só queremos saber daquilo que pode dar certo. Eu também estou conhecendo as experiências dele nos bairros de Buenos Aires.”

O governador disse que Daniel Scioli esteve no Rio de Janeiro para conhecer o funcionamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e as obras que estão sendo feitas em comunidades fluminenses.

“O Daniel também se interessou por nossas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Acho que isso é muito bom porque a gente está fazendo um entrosamento político e administrativo. Os brasileiros e os argentinos são povos que se provocam o tempo todo, no que diz respeito ao futebol, mas fora isso se admiram. Tanto é assim que o maior volume de visitantes na Argentina é de brasileiros, e vice-versa”.

Fonte: Agência Brasil

registrado em: , ,