Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2010 / 11 / Comandante da Minustah acredita que eleições de domingo serão tranquilas no Haiti

Comandante da Minustah acredita que eleições de domingo serão tranquilas no Haiti

por Vitor Abdala, da Agência Brasil publicado , última modificação 26/11/2010 13h38

Vista aérea de Porto Príncipe, capital do Haiti. País terá eleições no domingo (28) (Foto: Marcelo Casal/Abr)

Porto Príncipe - Os 9 mil militares que participam da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) vão participar da segurança dos 1.500 locais de votação e dos locais de apuração no país caribenho. As forças de paz também vão fazer o transporte do material das eleições no próximo domingo (28).

O comandante da Minustah, o general brasileiro Paul Cruz, acredita que as eleições serão tranquilas, já que os principais candidatos à Presidência do Haiti declararam apoio ao pleito. “Alguns atores que não têm interesse nessa votação podem querer ocasionar uma quebra da ordem, mas imagino que a maioria da população vai querer exercer seu direito de votar”, disse.

Apesar de acreditar que a votação será tranquila, o comandante afirmou que o país tem uma história política conturbada. Além disso, nos últimos dias, manifestações e enfrentamentos no Haiti deixaram mortos e feridos em vários pontos do país. Alguns confrontos envolveram militares da Minustah.

Por isso, a missão de paz montou um esquema especial para essas eleições. Os 1.500 locais de votação foram divididos em três tipos: vermelhos, amarelos e verdes. Cerca de 360 foram considerados vermelhos, por apresentar maior risco de problemas, e precisarão de tropas permanentes durante a votação. A maioria, no entanto, é do tipo verde, isto é, que não apresenta grande risco.

Em entrevista na base de comando da missão de paz, o general também falou sobre os problemas envolvendo os soldados nepaleses, que foram acusados pela população haitiana de ter levado o cólera para o país. Segundo Paul Cruz, a Minustah fez uma investigação com a tropa do Nepal e não encontrou nenhum indício de que qualquer militar estivesse contaminado pela doença.


O general também defendeu que as eleições ocorram neste domingo, apesar do cólera. Segundo ele, médicos dizem que a epidemia ainda está no início e que, se for preciso esperar seu término, o país ficará sem eleições por um tempo muito prolongado. “O Haiti precisa de um governo, precisa de um congresso funcionando”, disse Cruz.