Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2010 / 09 / OEA rechaça tentativa de golpe no Equador

OEA rechaça tentativa de golpe no Equador

Representantes dos países integrantes do Conselho fazem sessão extraordinária na tentativa de evitar golpe no país sul-americano
por virginiatoledo publicado , última modificação 30/09/2010 18h11
Representantes dos países integrantes do Conselho fazem sessão extraordinária na tentativa de evitar golpe no país sul-americano

São Paulo - O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) reuniu-se nesta quinta-feira (30)  em regime de urgência devido à crise no Equador, motivada pela manifestação de policiais e militares contra medidas tomadas pelo presidente Rafael Correa. O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, não descartou uma visita ao país sul-americano.

O conselho definiu pela emissão de um comunicado em que se repudia “qualquer tentativa de alterar a institucionalidade democrática do Equador.” A OEA manifestou seu respaldo ao governo constitucional de Rafael Correa e solicitou que o governo daquela nação continue informando o desdobramento dos fatos. A organização fez ainda “um enérgico chamado à força pública do Equador e aos setores políticos e sociais a evitar todo ato de violência que possa exacerbar uma situação de instabilidade política.”

Durante a sessão, o representante do Brasil na OEA leu a carta em que o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, advertiu sofre a gravidade do ocorrido. "Há uma necessidade de combater de imediato qualquer anormalidade que comprometa a democracia no Equador", dizia na carta. Chile e Argentina também demonstraram preocupação e total apoio a Correa.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, condenou, em nota, a aspiração política em derrubar o governo de Correa. "Assim como ocorreu em Honduras, estamos diante de um golpe de estado. Portanto não deixemos o povo equatoriano e o presidente Correa sozinhos", afirmou.

O representante dos Estados Unidos afirmou que o presidente americano, Barack Obama, condena qualquer tentativa de golpe ou possível tentativa de desestabilizar os governos democráticos.  Entretanto, o embaixador da Nicaragua, em nome do presidente Daniel Ortega, demonstrou apoio ao presidente equatoriano e advertiu sobre a suposta participação dos EUA no golpe de Honduras, assim como o incentivo a outros golpes de estado na América, entre eles o do Equador.

registrado em: , ,