Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2010 / 09 / Índia e África do Sul deverão integrar Conselho de Segurança da ONU, diz Amorim

Índia e África do Sul deverão integrar Conselho de Segurança da ONU, diz Amorim

por Daniella Jinkings, da Agência Brasil publicado , última modificação 25/09/2010 20h05

Brasília – O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse neste sábado (25), que a Índia e a África do Sul devem ser eleitas como membros provisórios do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo ele, será a primeira vez que o grupo Ibas (Índia, Brasil e África do Sul) estará completo no Conselho de Segurança.

“A Índia e a África do Sul devem ser eleitas para o Conselho de Segurança porque são candidatos endossados por suas regiões, mas temos de esperar formalmente a eleição. Acho isso uma coisa muito importante”, disse, após reunião com os ministros do grupo, em Nova York.

Durante reunião com o ministro de Assuntos Exteriores da República da Índia, S.M. Krishna, e o ministro das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, Maite Nkoana Mashabane, Amorim destacou a importância da cooperação entre os três países.

“O Ibas nasceu da consciência de uma afinidade. Nós somos três grandes países em desenvolvimento, três democracias pujantes, vibrantes, três sociedades multiétnicas e cada uma em um continente. O [grupo] Bric [Brasil, Índia e China] foi criação do mercado, o Ibas foi uma criação do espírito, houve uma alta identificação entre nós”, afirmou o chanceler brasileiro.

Os ministros enfatizaram a importância da implementação dos compromissos assumidos pelos parceiros do Ibas em ajudar outros países em desenvolvimento a atingir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio até 2015. Eles também se comprometeram a reforçar a cooperação por meio do Fundo Ibas de Combate à Fome e à Pobreza.

De acordo com Amorim, a reforma do Conselho de Segurança também foi discutida entre os ministros. “A consciência de que é preciso haver essa reforma está se tornando cada vez mais clara. O próprio presidente da Assembleia Geral [da ONU] tem dito isso. Países que não estão propriamente vinculados à reforma estão dizendo isso. Tenho uma expectativa de que esse ano vai ser um ano importante para a reforma do Conselho de Segurança”.

Na quinta-feira (23), no discurso de abertura da 65ª Assembleia Geral da ONU, o chanceler brasileiro já havia reiterado considerar necessária a reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas.