Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2009 / 11 / Mujica vence eleições e governará Uruguai

Mujica vence eleições e governará Uruguai

por Julio Villaverde e Patricia Avila publicado , última modificação 30/11/2009 11h30

Montevidéu - O ex-guerrilheiro José Mujica venceu a eleição para a Presidência do Uruguai com a promessa de levar adiante as políticas moderadas do atual governo de esquerda, que possibilitaram ao país evitar o pior da crise econômica mundial.

"Nem vencedores, nem vencidos", declarou Mujica, de 74 anos, diante de milhares de partidários, depois de seu rival Luis Alberto Lacalle, do Partido Nacional, de centro-direita, ter reconhecido a derrota no segundo turno da eleição de domingo.

Com 96,56% das urnas contabilizadas, Mujica tinha cerca de 53% dos votos, contra quase 43% de Lacalle, segundo dados oficiais divulgados nesta segunda-feira (30) pela Corte Eleitoral.

O presidente eleito reiterou diante de seus partidários, na noite de domingo (29), que vai seguir no caminho trilhado pelo presidente Tabaré Vázquez, também da coalizão de esquerda Frente Ampla.

"Esta batalha foi travada e mantida por vocês, queridos companheiros... nem vencidos nem vencedores, apenas elegemos um governo que não é dono da verdade, que precisa de todos", disse Mujica a milhares de partidários empolgados que enfrentaram chuva e vento para festejar a vitória com ele.

Reconhecendo a vitória da Frente Ampla em discurso transmitido pela televisão, Lacalle, que governou o país com políticas liberais entre 1990 e 1995, pediu a seus partidários que deixem as diferenças políticas de lado e aceitem o governo eleito.

Montevidéu foi palco de comemorações barulhentas que se estenderam até a madrugada, começando logo após o fechamento das urnas e antes mesmo de ser divulgado qualquer resultado.

"É uma emoção indescritível. Neste momento precisamos desfrutar e pensar nos que vêm lutando por isto desde os anos 1960", disse o médico Nelson Romero, 57 anos.

Fazendeiro que foi membro da guerrilha urbana Tupamaros no final dos anos 1960 e início dos 1970, Mujica, em seu discurso, reconheceu o legado do governo atual.

"Vencemos por obra deste governo, pela continuidade deste governo", disse ele, também agradecendo seu companheiro na vice-presidência, Danilo Astori, ex-ministro e arquiteto da política econômica de Tabaré Vásquez.

O Uruguai conseguiu escapar de uma recessão decorrente da crise financeira global, e seu PIB cresceu 1,2% em 2009, o sétimo ano consecutivo de crescimento.

Resultado Esperado

Além de prometer seguir com a mesma linha econômica, em política externa Mujica expressou sua afinidade com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afastando os temores de que possa aproximar-se de líderes mais radicais como Hugo Chávez, da Venezuela, Evo Morales, da Bolívia, ou Rafael Correa, do Equador.

Todas as pesquisas de intenção de voto tinham apontado para a vitória de Mujica.

O candidato da Frente ganhou o primeiro turno eleitoral, em outubro, com quase 4% dos votos válidos, mas, por não ter conseguido maioria absoluta, teve que disputar o segundo turno com Lacalle, que tinha obtido 29% dos votos em outubro.

O voto é obrigatório no Uruguai, e, de uma população de 3,3 milhões de habitantes, cerca de 2,56 milhões de pessoas estavam habilitadas para votar. Milhares de uruguaios residentes no exterior chegaram ao país nos últimos dias para participar da eleição.

Astori, que desde a vice-presidência vai supervisionar a economia uruguaia, segundo anunciou o presidente eleito, reiterou que não haverá mudanças drásticas na linha seguida pelo país.

Mujica disse no sábado a órgãos de imprensa estrangeiros que "não se devem esperar grandes novidades, exceto as que possam derivar de conjunturas diferentes. Na realidade, o programa, o compromisso político, é de continuidade e afirmação dos avanços obtidos pelo governo atual."

Fonte: Reuters

registrado em: