Você está aqui: Página Inicial / Jornais / Limeira / Inaugurado o moinho de vento
Limeira

Inaugurado o moinho de vento

O novo ponto turístico de Limeira é uma homenagem aos imigrantes da cidade
por lauany publicado 03/05/2013 17h31, última modificação 29/10/2012 15h41
O novo ponto turístico de Limeira é uma homenagem aos imigrantes da cidade

Moinho Ora et Labora é o maior do estado de São Paulo (Foto: Wagner Morente)

Limeira inaugurou no sábado, dia 27, o moinho Ora et Labora (Orar e Trabalhar), elaborado pelo arquiteto holandês Jan Heijdra, na Rodovia Limeira–Iracemápolis (SP151), na Vila das Nações. Desde setembro de 2011, o moinho estava sendo construído artesanalmente. Ele é o terceiro moinho de vento do Brasil – os outros dois são nas cidades de Castro, no Paraná, e Holambra, interior de São Paulo. 

Em junho de 2011, na 7ª edição do Jornal Brasil Atual de Limeira, noticiamos sobre a construção do moinho e o valor da obra. Leia a matéria completa a seguir:

 

Moinho de Vento, novo ponto turístico de Limeira

 

Divulgado no Diário Oficial do Município no início de junho de 2011, o maior moinho de vento do Estado será uma obra da Secretaria de Turismo do município. Apenas uma empresa participou da licitação e acabou vencedora: R. Maluf Engenharia e Construção Ltda.

O projeto do moinho foi baseado no museu Mühlenhof, da cidade de Münster, na Alemanha, e será do tipo Standermolen, holandês, com 26 m de altura e base, de madeira, de 9 m de altura. A base do moinho, que serviria como um salão de eventos com banheiros, para baratear o custo virou uma base simples e sairá por R$ 155.900,00. 

O Moinho de Vento, propriamente, custará aos cofres públicos R$ 1,47 milhão. A obra toda ficará em R$ 1.625.900,00 e fará parte da Vila das Nações, tendo no coração da vila um grandioso moinho integrando os países da Europa. Será construído no Jardim  Morro Azul, em homenagem aos imigrantes e manterá os traços das nacionalidades – portugueses, italianos, alemães – que vieram trabalhar em Limeira depois da abolição da escravatura. 

Originalmente, tudo isso faria parte de um projetão que construiria também a Torre do Imigrante, ao custo de R$ 18 milhões. Porém, quando o Ministério Público de Limeira declarou que investigaria a Torre, o prefeito desistiu da ideia.